1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Avião da Força Aérea Americana pousa em um aeroporto. É noite.
EUA não enviarão contingentes à Ucrânia, mas a países aliados da Otan na regiãoFoto: Czarek Sokolowski/AP/picture alliance

Tropas dos EUA começam a chegar à Polônia

5 de fevereiro de 2022

Em meio a temores de que a Rússia possa invadir a Ucrânia, Washington envia contingente de soldados para reforçar apoio a aliados da Otan no Leste Europeu.

https://www.dw.com/pt-br/tropas-dos-eua-come%C3%A7am-a-chegar-%C3%A0-pol%C3%B4nia/a-60675558

O primeiro grupo de soldados dos Estados Unidos para reforçar o contingente da Otan no Leste Europeu chegou neste sábado (05/02) à Polônia, informou o major do exército polonês Przemyslaw Lipczynski.

Ele também disse que a maior parte dos 1.700 soldados americanos que serão enviados ao país chegará "em breve". Na sexta-feira, também desembarcaram na Alemanha os primeiros militares americanos enviados como reforços.

O envio dos soldados ocorre em meio a temores de que a Rússia possa invadir a Ucrânia, já que Moscou estacionou mais de 100.000 militares próximo à fronteira com o país sem uma justificativa clara.

A Rússia nega planos de invadir a Ucrânia, mas diz que pode tomar medidas militares não especificadas se suas exigências não forem atendidas. Entre outras coisas, o Kremlin quer que a Otan se comprometa a nunca admitir a Ucrânia como membro. A Aliança Atlântica disse que não aceitará.

Reforço no flanco leste da Otan

Os EUA já têm cerca de 4.500 soldados na Polônia. Na semana passada, Washington disse que enviaria mais 3.000 soldados para a Europa Central e Oriental para defender os membros da Otan contra qualquer "agressão".

Isso inclui 2.000 soldados sendo transferidos dos EUA para a Polônia e a Alemanha. Outros 1.000 soldados americanos que já estão na Alemanha serão remanejados para a Romênia.

"A situação atual torna necessário que reforcemos a postura de dissuasão e defesa no flanco leste da Otan", disse o porta-voz do Pentágono, John Kirby.

Os EUA  e a Otan já deixaram claro que não enviarão contingentes diretamente para Ucrânia, mas para países aliados da Aliança Atlântica.

O vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Alexander Grushko, advertiu que o envio das tropas americanas tornaria mais difícil um compromisso entre os lados.

Espera-se que os ministros da Defesa da Otan discutam mais reforços para os países da aliança em sua próxima reunião, nos dias 16 e 17 de fevereiro.

Scholz viaja para os EUA

O chanceler federal da Alemanha, Olaf Scholz, deve discutir a questão da Ucrânia em sua primeira reunião com o presidente dos EUA, Joe Biden, na segunda-feira.

A recusa de Berlim em enviar armas para a Ucrânia, as mensagens muitas vezes confusas sobre possíveis sanções e, acima de tudo, a resistência em abandonar o projeto do gasoduto Nord Stream 2 para fornecer gás russo à Alemanha irritaram Washington. Scholz também deve visitar Moscou no final deste mês.

Veículo militar é retirado de dentro de avião em um aeroporto.
Primeiros reforços de soldados americanos chegaram sexta-feira na AlemanhaFoto: US Army/Sgt. Stephen P. Perez/REUTERS

Caças russos em Belarus

Poucos dias antes do início de uma manobra militar russa em Belarus, caças Sukhoi Su-25SM foram trazidos a mais de 7.000 quilômetros da região de Primorye, no Mar do Japão, para aeródromos militares na área de Brest, perto da fronteira polonesa, informou o Ministério da Defesa russo.

Os líderes militares de Belarus e Rússia enfatizaram repetidamente que o envio de tropas é puramente para fins de treinamento, não representa ameaça e está de acordo com o direito internacional. Moscou e Minsk rejeitaram as acusações do Ocidente de que o exercício militar está em preparação para uma invasão à vizinha Ucrânia. A manobra está prevista para ocorrer de 10 a 20 de fevereiro.

Em vista das preocupações com uma possível invasão russa, militares ucranianos iniciaram um treinamento de guerra na zona radioativa ao redor da antiga usina nuclear de Chernobyl.

Soldados com capacetes e roupas brancas com manchas pretas. Há tanques de guerra ao funfo. Eles estão armados.
Tropas ucranianas começaram a treinar na região de exclusão de ChernobylFoto: Mykola Tymchenko/AP/picture alliance

O ministro do Interior, Denys Monastyrskyj, disse que trata-se do primeiro exercício em grande escala na zona de exclusão. Imagens mostram os militares treinando com morteiros e avançando com veículos blindados na cidade evacuada de Pripyat. O resgate de feridos e o desarmamento de minas também foi praticado.

Caças dinamarqueses chegam na Lituânia

Não apenas os EUA enviaram reforços à região. Quatro caças F-16 da Força Aérea Dinamarquesa já chegaram à Lituânia para fortalecer a vigilância aérea da Otan sobre os Estados Bálticos. Juntamente com quatro aeronaves polonesas, eles devem controlar os céus sobre a União Europeia (UE) e a Estônia, Letônia e Lituânia, estados membros da Otan, a partir do aeroporto militar de Siauliai. 

Os três países bálticos que fazem fronteira com a Rússia não têm seus próprios aviões de combate. Por isso, aliados têm assegurado o espaço aéreo do Báltico em rotação regular desde 2004.

A Dinamarca também enviará uma fragata para o Mar Báltico. De acordo com o exército estoniano, seis caças F-15C Eagle pousaram na base militar de Ämari na quarta-feira para fins de treinamento. O principal objetivo do esquadrão é apoiar a Força Aérea Belga no patrulhamento do espaço aéreo do Báltico.

le (AFP, DPA, Reuters)