Tribunal italiano condena nove integrantes da SS por massacre de guerra | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 27.06.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Tribunal italiano condena nove integrantes da SS por massacre de guerra

Mais de 350 civis foram mortos em agosto de 1944, durante a fuga dos militares alemães da Toscana. Justiça italiana exige que a Alemanha pague indenizações.

default

Cartaz de propaganda da Waffen-SS

Um tribunal militar de Roma condenou neste sábado (27/06) nove ex-membros da Waffen-SS à prisão perpétua pelo massacre de mais de 350 civis em Fivizzano, na Toscana, em agosto de 1944, quando os militares alemães fugiam diante do avanço dos aliados.

É pouco provável, porém, que os nove condenados cumpram a sentença, já que todos têm entre 84 e 90 anos. Além disso, em casos semelhantes, a Itália nunca obrigou o cumprimento das sentenças.

Para o governador da Toscana, Cláudio Martini, entretanto, a justiça foi feita. "Essa sentença finalmente traz justiça e verdade para aqueles que sofreram na pele as atrocidades nazistas", declarou.

"Não fomos motivados pela vingança, mas sim pela necessidade de escrever uma palavra de verdade nesta página terrível da história", destacou.

O caso foi aberto em 1994 após a descoberta, na Itália, de documentos militares alemães contendo 695 crimes de guerra nazistas nunca investigados. No início do processo havia 11 acusados; desde então, um morreu e outro foi absolvido.

O tribunal romano também exige que a Alemanha pague 1,25 milhão de euros em indenizações às comunidades onde ocorreram os massacres e a cerca de 50 familiares das vítimas. Algumas delas foram amarradas a postes e árvores antes de serem fuziladas.

Não é a primeira vez que um tribunal italiano condena a Alemanha ao pagamento de indenizações em casos envolvendo crimes nazistas. A Alemanha rejeita as exigências e recentemente encaminhou à questão à Corte Internacional de Justiça, em Haia.

AS/rtr/afp
Revisão: Simone Lopes

Leia mais