Transferência de dados bancários da UE aos EUA gera polêmica | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 26.07.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Transferência de dados bancários da UE aos EUA gera polêmica

Para fins de combate ao terror, Washington quer continuar tendo acesso a informações sobre transações bancárias dentro da UE. Protetores de dados duvidam da eficácia da medida e temem abusos.

default

Através do Swift/BIC EUA sabem o que se passa nos bancos da UE

Nesta segunda-feira (27/07), os ministros das Relações Exteriores da União Europeia deliberam sobre a cessão de dados bancários de clientes europeus a autoridades estadunidenses antiterror. O encontro visa um mandato à presidência da UE e à Comissão Europeia para que negociem com os EUA uma permissão provisória para utilização dos dados em questão.

A finalidade da medida é fechar lacunas de informação que eventualmente surgirão nos próximos meses. No último trimestre de 2009, o consórcio Swift, encarregado das transferências bancárias internacionais, mudará para a Holanda – portanto, para território europeu – seu centro de processamento de dados relativos a transações internas europeias. Atualmente, esse centro se localiza no estado da Virgínia, EUA, permitindo acesso direto aos norte-americanos.

Eficácia e abusos

Segundo um alto diplomata da UE que não quis ser identificado, a análise de transações financeiras pelas autoridades norte-americanas provou-se bastante útil nas investigações antiterrorismo.

A Comissão Europeia procurará esclarecer com Washington como poderão se defender seus cidadãos que eventualmente entrarem na mira das instâncias norte-americanas de segurança. Ainda assim, especialistas europeus em proteção de dados criticam o plano, duvidando de sua eficácia e temendo abusos.

Na Alemanha, crítica acirrada partiu também de políticos social-democratas, liberais e esquerdistas, que exigiram ao governo federal que se oponha às medidas. Entretanto, o Ministério alemão do Interior alegou que ainda não haveria propostas concretas em que basear seu posicionamento.

Uma mão lava a outra

Sediada na Bélgica, a Swift (Society for Worldwide Interbank Financial Telecommunication) realiza diariamente 15 milhões de transações entre mais de 8.300 bancos em todo o mundo, inclusive as transferências bancárias standard dentro da UE.

Os clientes europeus conhecem o consórcio através do Swift/BIC, código de identificação bancária internacional. Teoricamente pode tornar-se alvo dos investigadores norte-americanos qualquer cidadão que utilize o código, pois o sistema transmite os nomes do depositante e do destinatário, a finalidade da transferência e a soma.

Na forma proposta, o acordo de vigilância bancária prevê o armazenamento dessas informações por um prazo máximo de cinco anos, para fins de investigação antiterror. Em contrapartida, a UE espera que as autoridades estadunidenses lhe forneçam dados para suas próprias investigações.

Por pressão do Parlamento Europeu, esse acordo terá apenas caráter provisório. O definitivo somente deverá ser fechado quando entrar em vigor o Tratado de Lisboa, de reforma da UE, que permite ao Parlamento influir em questões judiciais. Isso não deverá ocorrer, contudo, antes do início de 2010.

AV/dw/dpa/afp
Revisão: Rodrigo Rimon

Leia mais