Tio Sam mandou | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 22.05.2003
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Economia

Tio Sam mandou

Ameaçada de boicote pelos EUA, de onde recebe 20% de suas encomendas, ThyssenKrupp paga caro para diminuir participação do Irã em seu capital acionário. Escândalo pouco repercute na Alemanha.

Empresa alemã curva-se à ameaça dos EUA

Empresa alemã curva-se à ameaça dos EUA

O caso é um escândalo. Nem por isso a imprensa alemã, muito menos o governo e os empresários puseram a boca no trombone para protestar. Diante das já abaladas relações teuto-americanas e exatamente em meio ao encontro empresarial bilateral em Washington, o ajoelhar-se do maior grupo siderúrgico da Alemanha às ameaças do governo Bush recebeu espaço discreto no noticiário alemão.

Segundo a ThyssenKrupp, a compra de 16,9 milhões de ações, que estavam em mãos da IFIC Holding, do Irã, visou impedir que o grupo sofresse um iminente e enorme prejuízo. Em sua sede em Düsseldorf, a diretoria do conglomerado evitou dar mais informações. O negócio baixou a participação iraniana no capital do conglomerado de 7,79% para menos de 5%, deixando apenas a Fundação Krupp (20%) e a Fundação Thyssen (5%) como grandes acionistas.

Alto preço para manter negócios

Ein Hochofen von Thyssen Stahl

Alto-forno da usina da ThyssenKrupp em Duisburg

Não é de hoje que a legislação dos EUA ameaça boicotar empresas cujos proprietários sejam de países malquistos por Washington. No meio empresarial, fala-se entretanto de que a lei seria agora aplicada com maior rigor. E a ThyssenKrupp tem negócios a zelar. De suas encomendas, 20% vêm dos Estados Unidos, o equivalente a quase 8 bilhões de dólares de faturamento. Na terra do Tio Sam, o grupo tem sobretudo a indústria automobilística como cliente, além de vender elevadores.

O conglomerado pagou caro para afastar o perigo de entrar na lista negra do Pentágono. Sujeitou-se a desembolsar três vezes mais do que o valor da cotação de suas ações na bolsa num total de 406 milhões de euros. Para uma empresa engajada no momento em amortizar suas dívidas, a transação soa a um golpe. A direção do grupo assegura que ela, entretanto, terá pouca influência no balanço, pois as ações compradas serão revendidas a médio prazo. Na bolsa, entretanto, a cotação despencou 5,8% no dia do anúncio da manobra.

Diário critica Washington

Galerie Top-Manager Ekkehard Schulz, Vorsitzender von Thyssen Krupp

Ekkehard Schulz, presidente da ThyssenKrupp

Apesar de sua dimensão e suas razões, a transação ganhou pouco espaço na imprensa alemã. Empresários e governo não correram aos microfones para protestar. Uma das criticas isoladas veio da versão alemã do jornal Financial Times, para o qual Washington foi longe demais.

"Os EUA deixaram logo claro que sua luta contra o 'Eixo do Mal' não seria levada apenas politicamente. A Europa podia viver com isto, enquanto as medidas econômicas limitavam-se ao congelamento de contas e coisas similares. Com o caso ThyssenKrupp, a política norte-americana estabeleceu um novo patamar, nada fácil de aceitar", comentou o diário.

"A pressão da América levou a uma intervenção despótica no mercado de capitais", denuncia o FTD. Na opinião do Financial Times Deutschland, a direção do conglomerado não teve escolha e os europeus devem condenar o episódio nos grêmios internacionais competentes. Mais adiante, o jornal concluiu: "Punir uma empresa, da qual o xá da Pérsia assumiu uma parte das ações em meados dos anos 70 (N.R.: ou seja, antes da Revolução Islâmica), tem pouco a ver com a efetiva luta contra os estados vilões."

Leia mais