Testes no Brasil mostram segurança de vacina chinesa, diz Butantan | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 19.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Testes no Brasil mostram segurança de vacina chinesa, diz Butantan

Segundo instituto, resultados preliminares em estudo de fase 3 feitos no país são semelhantes aos de ensaios clínicos feitos na China. São Paulo quer começar vacinação no início do próximo ano.

Médica segura ampola de vacina Coronavac

Mais de 9 mil voluntários fazem parte dos testes da Coronavac no Brasil

Os resultados preliminares dos ensaios clínicos da fase 3 da vacina chinesa contra o coronavírus que estão sendo feitos no Brasil revelaram a segurança do imunizante, afirmou nesta segunda-feira (19/10) o Instituto Butantan, parceiro da farmacêutica Sinovac no país.

De acordo com o instituto, a vacina chamada Coronavac provou ser segura após a aplicação das duas doses em 9 mil voluntários no país. "As manifestações clínicas adversas são muito leves, não tivemos nenhuma manifestação clínica que tenha exigido uma atenção médica maior. Então, é um perfil de segurança muito apropriado", afirmou diretor do Butantan, Dimas Covas.

O diretor afirmou ainda que os resultados obtidos no Brasil são semelhantes ao dos ensaios clínicos da fase 3 realizados em 50 mil voluntários na China. Covas acrescentou que os dados sobre a eficácia do imunizante, porém, só serão divulgados após a vacinação de todos os 15 mil voluntários previstos no estudo.

O secretário estadual de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, disse, no entanto, que a vacina parece produzir anticorpos contra o coronavírus. Covas afirmou que o governo de São Paulo pedirá a liberação do imunizante à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se ele apresentar uma eficácia de ao menos 50%.

A Sinovac é a primeira farmacêutica a divulgar resultados dos estudos em estágio avançado das atuais vacinas que estão sendo testadas contra a covid-19, colocando a China na liderança da corrida por um imunizante contra o coronavírus.

São Paulo espera receber a aprovação regulatória para a Coronavac até o final do ano para dar início a vacinação já no começo do ano que vem. A vacina deve começar a ser produzida no Brasil ainda neste mês e até dezembro e espera-se que 46 milhões de doses devem estar disponíveis.

O governo paulista disse que pretende ofertar a vacina para outros estados brasileiros e países da região após a vacinação em São Paulo, se o imunizante tiver sido aprovado.

São Paulo é o estado brasileiro mais atingido pela epidemia de covid-19, com 1.063.602 casos e 38.020 mortes. O total de infectados no território paulista supera os registrados em praticamente todos os países do mundo, exceto Estados Unidos (8,1 milhões), Índia (7,5 milhões) e Rússia (1,4 milhão). Ou seja, se São Paulo fosse um país, seria o quinto com mais casos confirmados.

A Coronavac está sendo testada em dez países. No Brasil, os estudos começaram em 21 de julho, a partir de uma parceria da Sinovac com o Instituto Butantan. Ao todo, 5.600 dos 9 mil voluntários já receberam pelo menos uma dose da vacina, em cinco estados e no Distrito Federal.

O acordo entre o Butantan e o laboratório chinês inclui também a transferência de tecnologia e a produção da vacina se sua eficácia for comprovada.

Ao menos quatro das dez vacinas que já estão na terceira fase de testes no mundo são da China. O Brasil já aprovou testes clínicos de quatro imunizantes no país. A aprovação mais recente foi para Janssen, unidade farmacêutica da Johnson & Johnson. Em 2 de junho foi autorizado o primeiro programa de testes, da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, e pela farmacêutica AstraZeneca.

Em 3 de julho, a Anvisa deu aval à vacina desenvolvida pela Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. E em 21 de julho, autorizou testes clínicos de vacinas desenvolvidas pela empresa BioNTech, da Alemanha, em parceria com a Pfizer, dos Estados Unidos.

Apesar de ser um dos imunizantes mais avançados nos estudos clínicos, uma pesquisa recente mostrou que 46% dos brasileiros afirma que não tomaria uma vacina de origem chinesa. O levantamento encomendado pela emissora CNN Brasil indicou ainda que 38% dos brasileiros também rejeitam a vacina russa e 22% imunizantes do Reino Unido, Estados Unidos e Alemanha.

CN/rtr/ots

Leia mais