Terremoto no Japão deixa ao menos nove pessoas mortas | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 15.04.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Terremoto no Japão deixa ao menos nove pessoas mortas

Tremor de magnitude 6,5 na ilha de Kyushu fere mais de mil pessoas e deixa cerca de 15 mil residências sem água, luz e gás. É o maior terremoto no país desde a tragédia de Fukushima.

Um terremoto de magnitude 6,5 atingiu a ilha de Kyushu, no sudoeste do Japão, nesta sexta-feira (15/04), e provocou ao menos nove mortos e cerca de mil feridos, entre eles 53 em estado grave, disseram autoridades locais.

"Até ao momento, o número se estabilizou em nove mortos", afirmou um funcionário do centro de gestão de desastres da prefeitura de Kumamoto. As nove vítimas são quatro homens e cinco mulheres, a maioria acima dos 60 anos. Todos morreram em acidentes causados pelo terremoto na cidade de Mashiki, na prefeitura (província) de Kumamoto.

Com seu hipocentro a cerca de 11 quilômetros de profundidade, o tremor foi o maior sentido no Japão desde 11 de março de 2011, quando um maremoto provocou um tsunami que deixou 18 mil mortos e desaparecidos, além de provocar, na central nuclear de Fukushima, o pior acidente nuclear desde Chernobil.

A agência meteorológica do Japão não emitiu um alerta de tsunami por causa do terremoto. Já a empresa que opera a usina nuclear de Sendai, que se encontra cerca de 120 quilômetros ao sul do epicentro e é a única em operação no país, afirmou que esta continuou operando sem problemas.

O governo japonês afirmou que dezenas de casas foram destruídas e cerca de 15 mil residências estão sem água, luz e gás. Várias pessoas ficaram soterradas nos escombros.

A televisão pública divulgou que cerca de 1.100 pessoas foram retiradas de Mashiki e que, depois do tremor inicial, foram sentidas cem réplicas, que podem continuar durante as próximas semanas.

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, pediu às autoridades locais o "máximo esforço para ajudar as vítimas" e manter a população informada.

As principais empresas aéreas japonesas afirmaram que o terremoto não afetou os voos e que as pistas de decolagem nos aeroportos da região atingida estão sendo inspecionadas para identificar eventuais danos.

PV/lusa/efe/ap

Leia mais