Temperatura nunca foi tão alta na Antártida | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 07.02.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Meio Ambiente

Temperatura nunca foi tão alta na Antártida

Órgão da ONU diz que estação mediu 18,3 ºC no norte da Península Antártica. Se confirmada, temperatura será histórica para a região, que tem um dos aquecimentos mais rápidos do planeta. Recorde anterior era de 17,5 ºC.

Imagem aérea mostra geleira Thwaites com cavidade crescente

Cavidade crescente na geleira Thwaites, no oeste da Antártida

A Organização Metereológica Mundial (OMM), ligada às Nações Unidas, divulgou novas temperaturas registradas na Antártida que, se confirmadas, serão recorde para o continente gelado.

A estação de pesquisas argentina Esperanza registrou 18,3 ºC no norte da Península Antártica, segundo informações do órgão em Genebra divulgadas nesta sexta-feira (07/02). A marca foi medida na quinta-feira e supera o recorde anterior de 17,5 ºC, registrado em 24 de março de 2015.

Uma equipe de especialistas da OMM deverá apurar oficialmente se a temperatura de 18,3 ºC é realmente a mais alta já medida no território continental em volta do Polo Sul.

"O registro parece estar provavelmente associado (no curto prazo) ao que chamamos de um evento 'föhn' regional sobre a área: um rápido aquecimento de ar que desce uma montanha", explica Randal Cerveny, relator da OMM para extremos climáticos.

Segundo Cerveny, verificar esse recorde de temperatura é importante porque ajuda a ter um panorama do clima "numa das fronteiras mais longínquas da Terra". A Antártida, assim como o Ártico, não possui ampla cobertura de observações e previsões meteorológicas, apesar de as duas regiões terem influência sobre clima, padrões e aumento dos níveis dos oceanos.

A temperatura na estação Marambio, próxima à Esperanza, também registrou o maior nível para fevereiro em quase 50 anos, medindo 14,1 ºC. Os níveis excepcionalmente altos parecem ser parte de uma onda de calor na península.

Cientistas vêm alertando contra os efeitos catastróficos do aquecimento global sobre as massas de gelo glaciais e os solos congelados conhecidos como "permafrost", tanto no Ártico quanto na Antártida, com as duas regiões aquecendo mais rápido do que o resto do mundo.

A OMM diz que a Península Antártica, na ponta noroeste do continente perto da América do Sul, é uma das regiões que esquenta mais rapidamente no planeta – foram quase 3 ºC nos últimos 50 anos.

Cerca de 87% das geleiras no litoral ocidental da península se retraíram durante esse período. A maioria mostra uma "retração acelerada" nos últimos 12 anos, diz a organização.

Segundo a OMM, o recorde para a região da Antártida – ou seja, qualquer ponto ao sul abaixo dos 60 graus de latitude – é de 19,8 ºC, registrados em janeiro de 1982 na ilha de Signy, ao sul do continente sul-americano.

RK/epd/ap/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados