Temer comete gafe em vídeo: ″Voltar o desemprego″ | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 07.07.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Temer comete gafe em vídeo: "Voltar o desemprego"

Em mensagem gravada na cúpula do G20, presidente diz que relatou aos líderes mundiais o que seu governo vem fazendo. Mais cedo, ao chegar a Hamburgo, rejeitou que o Brasil esteja atravessando uma crise econômica.

Em um vídeo divulgado nesta sexta-feira (07/07), o presidente Michel Temer afirmou que seu governo está fazendo "voltar o desemprego" no Brasil. A mensagem com a gafe foi publicada na conta oficial do Twitter do presidente brasileiro. O vídeo curto foi gravado após a participação de Temer de uma das reuniões da cúpula do G20, sediada em Hamburgo.

"Gerando exatamente inflação baixa, reduzindo os juros, fazendo voltar o desemprego e combatendo a recessão", disse Temer, num trecho do vídeo. Nele, o presidente também relatou que teve a oportunidade de contextualizar aos outros líderes mundiais o que seu governo vem fazendo, que há um interessa muito grande pelo Brasil e que a presença brasileira na cúpula do G20 tem sido "extremamente útil".

"Não existe crise econômica no Brasil"

Mais cedo, ao chegar a Hamburgo, rejeitou que o Brasil esteja atravessando uma crise econômica e defendeu que a crise política não afeta o desempenho da economia. "Não existe crise econômica no Brasil. Pode levantar os dados. Estamos crescendo no emprego, na indústria e no agronegócio. Lá [no Brasil] não existe crise econômica", afirmou.

A economia brasileira está no patamar de 2010. A taxa de desemprego esteve em 13,3% no trimestre encerrado em maio, afetando 13,8 milhões de pessoas, a taxa mais elevada para este semestre desde 2012. Já a produção industrial, em 12 meses, recuou 2,4%. 

O Produto Interno Bruto (PIB) registrou uma subida de 1% no primeiro trimestre deste ano, em comparação com os últimos três meses de 2016, mas influenciado principalmente pelo bom desempenho da agropecuária. Na comparação com o primeiro trimestre de 2016, o PIB caiu 0,4%. 

Questionado se a crise política não atrapalharia a retoma do crescimento econômico do país, Temer apenas disse "não", fazendo um sinal negativo com o dedo indicador da mão. 

Por fim, o presidente justificou a viagem a Hamburgo, que tinha cancelado na semana passada. "Haverá a reunião dos Brics [grupo que reúne o Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul], onde vamos discutir naturalmente o desenvolvimento desta aliança entre os cinco países e de alguma maneira participar nesta grande reunião que é o G20, onde alguns temas fundamentais para os membros do grupo serão debatidos, entre eles o meio ambiente", disse.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, refutou que o país esteja numa situação de "ingovernabilidade" – expressão utilizada pelo presidente do PSDB, Tasso Jereissati –, mas reconheceu alguma influência da crise política no desempenho da economia. No entanto, destacou uma recuperação.

"Existe, sim, certa diminuição do nível de confiança, mas num terreno positivo. Estamos bastante focados na agenda econômica", disse. "A economia vai bem, o que é o aspecto mais relevante. O mercado tem mantido uma relativa estabilidade, e do nosso ponto de vista também continuamos com alguns ajustes de cronograma, trabalhando com os deputados, tendo em vista a aprovação das reformas."

Sobre a mensagem que transmitirá aos restantes países em Hamburgo, em relação à crise política brasileira, Meirelles explicitou que garantirá que "o país prossegue com as instituições funcionando bem, dentro da Constituição, das normas vigentes".

PV/lusa/ots

Leia mais