1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Mão segura um celular. Na tela, está o aplicativo Telegram. Ao fundo uma bandeira da Alemanha
Telegram tem atraido cada vez mais extremistasFoto: Felix Schlikis/Lobeca/Imago Images

Telegram bloqueia mais de 60 canais na Alemanha

12 de fevereiro de 2022

Após pressão de autoridades alemãs, plataforma encerrou canais de teóricos da conspiração e negacionistas da pandemia, entre outros, informou reportagem do periódico alemão Süddeutsche Zeitung.

https://www.dw.com/pt-br/telegram-bloqueia-mais-de-60-canais-na-alemanha/a-60758823

O aplicativo de mensagens Telegram bloqueou dezenas de canais na Alemanha, incluindo uma conta pertencente a um proeminente teórico da conspiração, informou nesta sexta-feira (11/02) o periódico alemão Süddeutsche Zeitung.

A medida ocorre em meio ao aumento da pressão do governo e das autoridades alemãs, que expressaram preocupação com grupos que usam o aplicativo para espalhar desinformação sobre a pandemia de covid-19 e organizar protestos que se tornaram violentos.

O Telegram fechou um total de 64 contas, informou o jornal. Segundo a publicação, é "a primeira vez" que o aplicativo toma medidas contra a disseminação de "ódio e incitação" em sua plataforma na Alemanha.

O fechamento das contas ocorreu após pressão do Ministério do Interior e do Departamento Federal de Investigações (BKA, na sigla em alemão), que apontaram aos responsáveis pelo aplicativo problemas em diversos canais.

Um dos canais fechados pertencia ao teórico da conspiração Attila Hildmann, que espalhou mensagens antissemitas e desinformação sobre a pandemia de coronavírus para seus seguidores na plataforma, informou o jornal. Não ficou imediatamente claro quais outros canais foram afetados.

Hildmann, que ganhou fama como chefe de cozinha vegano, já era notório por convocar seus seguidores ao uso da violência contra o Estado alemão, além de fazer numerosas declarações antissemitas. Depois que um mandado de prisão foi emitido contra ele, o ativista de direita de 40 anos fugiu da Alemanha para a Turquia em 2021.

"A pressão está funcionando"

A ministra do Interior da Alemanha, Nancy Faeser, disse que continuará seu esforço para que o Telegram coopere com as leis alemãs.

Ao Süddeutsche Zeitung, ela afirmou que há crescentes ondas de "ódio" na plataforma, bem como "ameaças contra o povo e a democracia".

"O Telegram não deve mais ser um acelerador para extremistas de direita, teóricos da conspiração e outros agitadores. Ameaças de morte e outras mensagens perigosas de ódio devem ser apagadas e ter consequências legais", disse ela. "A pressão está funcionando", acrescentou Faeser.

De acordo com o jornal, o governo alemão estava frustrado com o Telegram, após várias tentativas fracassadas de remover discursos de ódio e contas que emitiam ameaças da plataforma.

Faeser chegou a ameaçar fechar o Telegram na Alemanha e disse que a empresa poderia enfrentar multas maciças de até 55 milhões de euros.

De acordo com a lei alemã, os gigantes da mídia social devem remover conteúdo ilegal – como discurso de ódio e ameaças de morte – ou enfrentar grandes multas. Plataformas como o Telegram, no entanto, têm sido mais difíceis de monitorar do que sites mais populares como Twitter e Facebook.

Crescentes preocupações com o extremismo

O Telegram, com sede em Dubai, é um aplicativo popular que fornece mensagens criptografadas e até agora evitou amplamente a supervisão regulatória.

Grupos de extrema direita e extremistas têm se voltado cada vez mais para plataformas alternativas como o Telegram depois de serem expulsos das principais plataformas de mídia social.

Durante a pandemia de coronavírus, o Telegram se tornou uma plataforma popular para teóricos da conspiração, oponentes de vacinas e membros do movimento Querdenken.

O Telegram tem sido usado para organizar protestos contra as restrições impostas para conter o coronavírus que, às vezes, terminam em violência. Mensagens ameaçando políticos alemães e outras figuras públicas também foram compartilhadas na plataforma.

le (DPA, Reuters, KNA)