STF homologa delação premiada de Sérgio Cabral | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 06.02.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

STF homologa delação premiada de Sérgio Cabral

Ministro Edson Fachin aceita acordo negociado entre ex-governador do Rio e Polícia Federal após Ministério Público recusar a colaboração premiada. Procuradoria-Geral da República foi contrária à homologação.

Policiais escoltam Sérgio Cabral

Cabral está preso desde novembro de 2016

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin homologou o acordo de delação premiada fechado pelo ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral com a Polícia Federal (PF), apesar da oposição da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Segundo informou o jornal Folha de S. Paulo nesta quinta-feira (06/02), o acordo foi homologado na véspera. A delação envolveria ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ), magistrados e políticos. O diário O Globo afirmou que o documento tem 20 temas e provavelmente permanecerá em sigilo.

O acordo de delação com a PF foi firmado após resistência do Ministério Público Federal no Rio de Janeiro (MPF-RJ), responsável pelas investigações, que alegou ser possível chegar às informações necessárias sem a cooperação com o ex-governador.

Com a negativa do MPF-RJ, Cabral recorreu à PF, que desde junho do ano passado conta com autorização do STF para firmar acordos desse tipo sem aval do Ministério Público.

A autorização do STF já havia proporcionado o acordo de delação do ex-ministro Antonio Palocci com a PF, que também foi rejeitado pelo MPF. Na ocasião, o órgão não viu provas que embasassem as afirmações do petista.

Após o anúncio de que ambas as partes haviam chegado a um acordo, a PGR se manifestou contra sua validação. Segundo O Globo, a procuradoria avalia que Cabral é o principal suspeito de chefiar a organização criminosa que saqueou o estado do Rio e que não poderia, por lei, fechar um acordo de delação.

O ex-governador também teria ocultado informações e protegido pessoas quando tentou negociar um acordo com a Lava Jato no Rio.

Cabral está preso no âmbito da operação desde novembro de 2016. Ele já foi condenado 12 vezes a penas que somadas chegam a 268 anos de prisão. Ao todo, ele responde a 31 ações penais.

O ex-governador foi acusado de cobrar 5% de propina sobre grandes contratos do estado do Rio. Investigadores encontraram pelo menos 100 milhões de dólares em contas no exterior de doleiros ligados a Cabral. Ao longo de dois anos ele negou os crimes, mas mudou de postura no início de 2019.

Segundo O Globo, o acordo de Cabral não tem uma previsão de benefícios penais, portanto não é possível saber quando ele sairá da prisão. A defesa do ex-governador deve tentar a liberdade de seu cliente, possivelmente argumentando que, com a colaboração oficial nas investigações, não haveria a necessidade de prisão preventiva por risco de interferência no inquérito.

CN/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais