1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Brasilien Symbolbild | Restaurant
Segmento que engloba restaurantes foi o que mais sofreu queda em março. Foto: Agência Brasil/Tomaz Silva/

Serviços têm queda em março, em prenúncio de abril dramático

12 de maio de 2020

Responsável por dois terços do PIB brasileiro, setor já mostra efeitos da pandemia sobre a economia e tem pior retração desde o início da série histórica do IBGE.

https://www.dw.com/pt-br/servi%C3%A7os-t%C3%AAm-queda-recorde-em-mar%C3%A7o-em-pren%C3%BAncio-de-abril-dram%C3%A1tico/a-53416382

O volume de serviços prestados em março no Brasil recuou 6,9% em comparação a fevereiro, já considerando o ajuste sazonal. É a pior queda da série histórica, que começa em 2011, conforme divulgou nesta terça-feira o IBGE. Na comparação com março de 2019, o volume de serviços recuou 2,7%, interrompendo uma sequência de seis taxas positivas.

O encolhimento já reflete o fechamento de diversos estabelecimentos a partir de meados de março como parte das medidas de combate à pandemia de covid-19, e fez o volume ser pior que o observado em maio de 2018, quando houve a greve dos caminhoneiros. 

Por ser um setor que não recupera o que perdeu – um serviço não prestado hoje, não será compensado à frente, como pode ocorrer com um bem durável, por exemplo – e representar dois terços da composição do PIB do país, a queda no volume tende a ter um efeito impactante na crise que o Brasil já enfrenta. 

Entre os segmentos, a maior queda foi em serviços prestados às famílias – que inclui restaurantes, hotelaria e cabeleireiros –, com recuo de 33,4% em comparação com o ano passado e de 31,4% ante fevereiro. Embora não seja um segmento com peso na pesquisa do IBGE, é um dos que mais contam na composição do PIB, segundo a pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre-FGV) Luana Miranda.

Na avaliação da economista, é possível vislumbrar um abril dramático diante dos dados de março, com uma possível queda de dois dígitos nas comparações anual e mensal, prenunciando um recuo maior no Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre. O Ibre previa uma queda de 5% nos serviços em relação ao ano passado. “Achei que o transporte terrestre seria pior em março, mas acho que impacto vai vir em abril”, diz.  

Pela característica do setor de transportes, que trabalha com contratos, o economista-chefe do Banco Fator, José Francisco Goncalves de Lima, acredita que a queda mais dramática ainda está por vir. No entanto, ele acredita que há perspectiva positiva para tudo que se relaciona a home office – como serviços de informação e telecomunicações – e serviços financeiros.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter