Se sair, futuro governo terá Merkel desgastada | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 07.02.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Se sair, futuro governo terá Merkel desgastada

Há 12 anos no poder, chanceler federal alemã conseguiu fechar acordo de coalizão com social-democratas, mas quarto mandato ainda não está garantido. Declínio da chefe de governo começou muito antes da última eleição.

Bundestag Parlament Angela Merkel liest (picture-alliance/AP/M. Sohn)

Apoio a Angela Merkel vem diminuindo em seu próprio partido

Angela Merkel, que atualmente exerce o cargo de chefe de governo da Alemanha de maneira interina, está perdendo apoio. É o que mostram os últimos índices de aprovação da chanceler federal alemã e de seu partido, a União Democrata Cristã (CDU).

Desde as eleições legislativas alemãs em setembro passado, a satisfação com o trabalho político de Merkel vem diminuindo constantemente. Atualmente, apenas 51% dos alemães disseram achar bom que ela assumisse mais uma vez o cargo de chanceler federal, enquanto 46% afirmaram considerar não tão bom ou até mesmo ruim um novo mandato de Merkel à frente da Chancelaria Federal.

Leia também:O que ainda separa Merkel do quarto mandato?

A presidente da CDU e atual chanceler federal em exercício sabe que seu quarto mandato será o último. Mesmo antes das últimas eleições parlamentares, ela levou muito tempo para se decidir por uma quarta candidatura.

E a pressão por renovação não vem somente da oposição. Alguns integrantes da CDU e de seu partido-irmão, a União Social Cristã (CSU), apostam na saída de Merkel – o mais cedo possível; mesmo que os críticos digam isso apenas a portas fechadas.

Principalmente a ala direitista de seu partido não consegue perdoá-la por ter levado a antes conservadora CDU a uma direção liberal-social-democrata. O desconforto já reina há muito entre os conservadores, mas somente poucos expressam seu desagrado abertamente, pensando no fim da era Merkel. 

"Na formação de um governo, devem ter importância também nomes que tenham uma perspectiva para o período após Angela Merkel", disse recentemente o governador do estado de Schleswig-Holstein, Daniel Günther.

Desde que Merkel abriu as fronteiras alemãs para os refugiados em 2015, a sociedade e os partidos da União (CDU/CSU) estão divididos. Enquanto os eleitores do Partido Verde elogiaram a chefe de governo por sua decisão, houve muitas críticas de suas próprias fileiras. O tema também desempenhou um papel importante na campanha eleitoral.

O início do fim?

O declínio de Merkel teve início muito antes das eleições. O lema da campanha eleitoral de Merkel em 2017 foi: "Por uma Alemanha na qual vivemos bem e gostamos de viver". E assim foi impresso nos cartazes eleitorais.

A conta dessa abordagem sem personalidade foi o resultado catastrófico que os partidos da União obtiveram nas eleições gerais em 24 de setembro. Juntos, CDU e a irmã bávara CSU conquistaram apenas 33% dos votos. Anteriormente, a União só havia obtido resultado tão ruim em 1949.

No entanto, o chanceler não quis reconhecer seus próprios erros e tentou forjar, inicialmente, uma chamada coalizão "Jamaica", ou seja, uma aliança entre CDU/CSU, Partido Verde e Partido Liberal Democrático (FDP) – cujas cores lembram a bandeira do país caribenho.

Merkel estava por trás do projeto; queria a coalizão "Jamaica", algo em que os potenciais parceiros do FDP não queriam acreditar. Após semanas de negociações, os liberais de Christian Lindner abandonaram as conversas preliminares. O fracasso das negociações foi uma nova derrota para Merkel. A líder da CDU não conseguiu conferir ao projeto uma ideia, um slogan, uma coesão.

Falta slogan para uma grande coalizão

Também falta um slogan para a atual e segunda tentativa de formação de governo sob a égide de Merkel: uma reedição da grande coalizão com os social-democratas.

Se a tentativa falhar, pode ser o fim da era Merkel. Com rara assertividade, ela se opôs expressamente a um governo minoritário após as eleições, porque o modelo de conseguir sempre novas maiorias parlamentares seria impróprio para a Alemanha. E não está claro se Merkel viria a se candidatar novamente à Chancelaria Federal no caso de novas eleições.

Merkel é resiliente e age de forma tática no poder, como alguém que não gosta de extrapolar, mas sabe como se salvar. As últimas pesquisas de opinião sobre Merkel apontam que quase 90% dos eleitores da CDU/CSU até votariam nela de novo se precisassem ir às urnas outra vez.

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais