Reprovação a Bolsonaro volta a subir, afirma Datafolha | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 17.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Reprovação a Bolsonaro volta a subir, afirma Datafolha

Na primeira pesquisa divulgada após os atos do Sete de Setembro, reprovação ao governo do presidente alcança 53%. Lula mantém ampla dianteira sobre Bolsonaro na disputa eleitoral.

Jair Bolsonaro

Manifestantes exibem boneco inflável que representa o presidente como um assassino

O Instituto Datafolha apurou que a reprovação ao governo do presidente Jair Bolsonaro aumentou ainda mais, passando para 53% entre as pessoas consultadas, segundo uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira (17/02) pelo jornal Folha de S. Paulo. É o pior nível desde o início do mandato.

No levantamento anterior, feito em julho, Bolsonaro era rejeitado por 51% dos inquiridos, que avaliaram o governo dele como ruim ou péssimo.

O novo levantamento, que foi realizado de forma presencial entre esta segunda e quarta-feiras, ouviu 3.667 pessoas com mais de 16 anos em 190 municípios e é o primeiro a ser divulgado depois dos atos antidemocráticos do Sete de Setembro, convocados por Bolsonaro e dos quais ele mesmo participou.

Naquele dia, Bolsonaro fez ameaças às instituições do país e, diante de milhares de apoiadores, incentivou à desobediência de ordens do Supremo Tribunal Federal (STF) e a decisões do Parlamento contrárias aos seus interesses.

O posicionamento causou uma imensa onda de críticas de parlamentares, do STF e até de partidos políticos da sua base aliada, levando o presidente a recuar, poucos dias depois, numa declaração à nação, em que assegurou que não teve a intenção de agredir os demais poderes da República.

Na sondagem do Datafolha, o presidente foi avaliado como bom ou ótimo por 22% dos inquiridos, uma oscilação negativa face aos 24% que obteve no levantamento anterior e que já então era o pior índice do seu mandato. 

A percentagem dos que o consideram regular ficou em 24%, o mesmo índice de julho.

A margem de erro da sondagem é de dois pontos percentuais, em ambos os sentidos.

A reprovação ao governo de Bolsonaro mantém uma tendência de alta desde dezembro do ano passado. E mesmo entre o segmento evangélico, uma das principais bases de apoio dele, a reprovação ao governo já subiu 11 pontos desde janeiro e está superior (41%) à sua aprovação (29%).

Eleição presidencial

O Datafolha também afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva continua liderando a disputa pela Presidência da República, em 2022, com larga vantagem sobre o atual chefe de Estado.

De um modo geral houve pouca alteração nos percentuais das possíveis candidaturas. Na resposta espontânea, quando o entrevistado diz em quem pretende votar, Lula alcança 38% e Bolsonaro, 20%. Em julho eles tinham 42% e 19%.

Nas simulações de primeiro turno, quando são apresentados ao entrevistado possíveis nomes de candidatos, Lula oscila entre 42% e 44%. Já o presidente tem entre 24% e 26%.

No segundo turno, Lula bateria Bolsonaro por ampla vantagem, afirma o Datafolha: 56% a 31%. Em julho os percentuais apurados eram 58% e 31%, também com vantagem para o petista.

Segundo a pesquisa, Lula também venceria um segundo turno contra o pedetista Ciro Gomes e o governador de São Paulo, João Doria, em ambos os casos com mais de 50% dos votos válidos.

Já tanto Ciro como Doria seriam vencedores numa disputa de segundo turno com Bolsonaro, por 52% a 33% e 46% a 34%, respectivamente.

Bolsonaro, Lula e Doria são ainda, nessa ordem, os candidatos com maior rejeição: 59%, 38% e 37%.

Entre os que votaram em Bolsonaro em 2018, 26% afirmam que não votariam nele de jeito nenhum de novo, 66% afirmam que não votariam de jeito nenhum em Lula, 46% descartam totalmente Ciro e 40%, Doria.

Leia mais