Religião tem papel central na Cúpula Humanitária de Istambul | Notícias internacionais e análises | DW | 22.05.2016

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Religião tem papel central na Cúpula Humanitária de Istambul

Tão associada a fundamentalismos, terrorismo e violência, a fé ainda tem potencial de promover a paz e o progresso? Essa é uma das premissas do encontro internacional promovido pelas Nações Unidas.

Cúpula Humanitária Mundial de Istambul é a primeira do gênero

Cúpula Humanitária Mundial de Istambul é a primeira do gênero

A religião é, sabidamente, capaz de mover montanhas. E, para intensificar sua quase onipresença no mundo, ela passará agora a se engajar mais pelo progresso econômico das nações pobres, ajudando refugiados a construírem uma nova vida e se empenhando por mudar as condições sociais que são solo fértil para os grupos terroristas islâmicos.

Pelo menos é o que desejam as grandes instituições doadoras e os chefes de Estado presentes na Cúpula Humanitária Mundial, que se realiza em 23 e 24 de maio de 2016, em Istambul. O encontro único, em seu gênero, foi promovido pelo secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-moon, para quem "a humanidade presencia a maior catástrofe humanitária desde a Segunda Guerra Mundial".

O tema religião consta no topo da pauta da cúpula. Numa sessão especial na segunda-feira, representantes de diversas comunidades de fé estão convidados a expor à comunidade mundial as contribuições que podem prestar na superação das diversas crises humanitárias em curso.

Ministro alemão Gerd Müller no Quênia

Ministro alemão Gerd Müller (c:) não deixa esquecer que religião também gera violência e terrorismo

Avanço com a religião – e não contra

Entre os participantes na metrópole turca também está o ministro alemão de Cooperação Econômica e Desenvolvimento, Gerd Müller. "Em muitos países, os chefes religiosos dispõem de grande prestígios", declarou à DW. "Precisamos utilizar esse potencial, sem fechar os olhos para o fato de que a religião também é instrumentalizada para a violência e o terrorismo."

Em colaboração com os grandes protagonistas internacionais de ajuda humanitária, Müller pretende explorar o potencial religioso, sobretudo do islã, para a paz e o desenvolvimento. Seu ministério está desenvolvendo um novo programa antiterror, sob o título International Partnership on Religion and Sustainable Development" (PaRD).

"As comunidades religiosas realizaram um trabalho importante, em todo o mundo, no setor da saúde, educação, nutrição e abastecimento de refugiados", afirma o político social-cristão. Cerca de 80% da população mundial se define como crente, "por isso, em muitos assuntos só é possível avançar com – e não contra – a religião".

A iniciativa do ministro Müller é saudada por associações muçulmanas como a Islamic Relief Deutschland. "O governo alemão certamente se alegra pela nossa existência; construímos muito na Síria", afirma a porta-voz da entidade humanitária, Nuri Köseli.

Sepultamento de vítima do ebola em Serra Leoa

Ritos fúnebres tradicionais africanos promoviam alastramento do ebola

Sacerdotes avançam onde autoridades fracassam

A Islamic Relief Deutschland é uma das maiores contribuintes de sua organização-mãe internacional, a Islamic Relief Worldwide (IRW), ativa em 40 países. Em 2014, 113 milhões de euros foram disponibilizados à ONG, que entre seus parceiros conta com os ministérios britânico e sueco do Desenvolvimento, agências humanitárias da ONU, a União Europeia, a Aliança Mundial Luterana e a agência católica Cafod.

Um relatório conjunto da Cafod e da IRW sobre o combate ao ebola na África Ocidental ilustra quão importante pode ser a cooperação com líderes religiosos em regiões de crise. Lá, sacerdotes muçulmanos e cristãos conseguiram, com argumentos religiosos, algo em que autoridades estatais e agências da ONU haviam fracassado: modificar os ritos fúnebres tradicionais e, assim, deter a difusão da epidemia.

As taxas de contágio só caíram do momento em que padres e imãs conseguiram comunicar aos parentes em luto, de forma convincente, que uma despedida digna também era possível sem contato físico. Até então, o manuseio dos cadáveres contaminados garantia o alastramento meteórico do ebola.

"Se os líderes religiosos estivessem integrados desde o início, teríamos salvo muitas vidas humanas", afirma o relatório da Cafod e IRW Keeping the faith (Mantendo a fé), que voltará a ser discutido na Cúpula Humanitária.

Igreja destruída pelo Estado Islâmico na Nigéria

"Estado Islâmico" destrói casas de cristãos e igrejas na Nigéria

Igrejas como pioneiras

A cooperação com chefes religiosos já se apoia em anos de experiência. O ministério alemão do Desenvolvimento trabalha há mais de 50 anos, com sucesso, junto a órgãos humanitários eclesiásticos como a Brot für die Welt e a Misereor, transferindo anualmente para seus projetos 200 milhões de euros.

Um dos principais protagonistas da assistência humanitária e da cooperação para o desenvolvimento é o Aga Khan Development Network (AKDN). A rede leva o nome do chefe religioso dos ismaelitas nizari, uma corrente xiita do islã, dispondo de 80 mil colaboradores e de um orçamento anual de 625 milhões de dólares.

Mas, apesar de todos os esforços pelo diálogo e cooperação, também na Cúpula Humanitária Mundial fica evidenciado o cisma que separa as alas de fé. Pois uma instituição foi intencionalmente excluída do convite a Istambul, a International Islamic Relief Organization of Saudi Arabia.

Como as demais, a entidade criada em 1979 por um decreto do rei da Arábia Saudita presta assistência humanitária. Contudo ela também financia a construção de mesquitas, sendo suspeitada pela ONU de apoiar islamistas radicais.

Leia mais