Rebeldes iniciam retirada no Iêmen | Notícias internacionais e análises | DW | 11.05.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Rebeldes iniciam retirada no Iêmen

Combatentes houthis começam a sair de três portos no país. Medida é primeiro passo no cumprimento do acordo de cessar-fogo entre insurgentes e governo e visa facilitar entrada de ajuda humanitária para população.

Veículo de combate na zona portuária de Hodeida, no Iêmen

Forças governamentais em Hodeida: acordo prevê retirada das tropas de ambos os lados da região

Os rebeldes do houthi no Iêmen começaram neste sábado (11/05) a retirar seus combatentes do porto da cidade de Hodeida, cumprindo um acordo de paz firmado em dezembro, com intermédio da ONU, visando dar fim à pior crise humanitária mundial.

Mohammed Ali al-Houthi, presidente do Comitê Supremo Revolucionário dos rebeldes houthis afirmou que a retirada de Hodeida e a de dois outros portos menores na mesma província, os de Salif e Ras Issa, começaram às 10h (horário local).

Um oficial do governo internacionalmente reconhecido do Iêmen afirmou não ter conhecimento da operação dos houthis e disse que o governo marcou um encontro com o chefe da missão da ONU que está monitorando o cessar-fogo, o general dinamarquês Michael Lollesgaard.

Na sexta-feira, Lollesgaard afirmou que a retirada dos houthis dos três portos marcaria o primeiro passo prático para realização do cessar-fogo. Ele acrescentou que a medida possibilitará a chegada de ajuda humanitária à população do Iêmen.

Em 13 de dezembro, o governo do Iêmen, apoiado por uma coalizão de países árabes liderada pela Arábia Saudita, e os rebeldes houthis, apoiados pelo Irã, chegaram a um acordo de cessar-fogo, em conversações patrocinadas pela ONU na Suécia.

O acordo prevê um cessar-fogo em Hodeida e a retirada de combatentes de ambos os lados daquela região. O pacto é tido como um avanço nos esforços internacionais para acabar com a guerra do Iêmen, que dura quatro anos, matou cerca de 60 mil pessoas e levou mais de 20 milhões de pessoas a passar fome, de acordo com a ONU. Quase dois terços da população do Iêmen estão passando algum tipo de necessidade, três milhões estão refugiados.

No entanto, tem havido um atraso na retirada de combatentes, e ambos os lados se culpam mutuamente de violar o cessar-fogo.

Na sexta-feira, a ONU disse que os houthis começariam unilateralmente uma retirada dos três portos sob a sua supervisão e que a operação duraria até terça-feira.

Hodeida é de importância estratégica, devido ao seu porto principal, que é a mais importante porta de entrada do Iêmen. Por lá chegam cerca de 80% das importações e suprimentos de ajuda ao país. A cidade se tornou foco da guerra no ano passado, quando a coalizão tentou duas vezes reconquistar o porto, para cortar a principal linha de abastecimento dos houthis.

A cidade do Mar Vermelho está sob controle rebelde desde o final de 2014.

O conflito no Iêmen começou naquele ano, com a tomada da capital Sanaa pelos rebeldes houthi, apoiados pelo Irã, que derrubaram o governo de Abed Rabbo Mansour Hadi. Uma coalizão liderada pela Arábia Saudita, aliada ao governo internacionalmente reconhecido do Iêmen, combate os houthis desde 2015.

MD/dpa/rtr/ap

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais