Rammstein processa Estado alemão por música em índex | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 05.04.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Rammstein processa Estado alemão por música em índex

Banda argumenta que teve prejuízo depois que o álbum "Liebe ist für alle da" foi classificado de imoral e teve promoção e venda dificultadas. Indexação durou pouco: tribunal liberou a obra seis meses depois.

Till Lindemann, vocalista do Rammstein, durante apresentação no Festival de Wacken

Till Lindemann, vocalista do Rammstein, durante apresentação no Festival de Wacken

A banda de rock Rammstein abriu um processo contra o Estado alemão nesta segunda-feira (04/04), exigindo uma indenização de 66 mil euros pela inclusão do álbum Liebe ist für alle da (O amor é para todos) na lista da Agência de Verificação de Mídia Nociva para Menores (BPjM, na sigla em alemão).

Em 2009, o órgão classificou de "embrutecedora" e "imoral" uma das músicas do disco, Ich tu dir weh (Eu te machuco), e uma imagem de tortura que aparece no livreto que acompanha o álbum. Para a agência, a canção compromete o desenvolvimento dos jovens. Em consequência, o álbum foi posto no índex.

Quando uma obra é listada pelo órgão, ela não pode ser anunciada e só pode ser vendida dentro de condições estritas. O Rammstein argumentou que, após a classificação, foi obrigado a destruir ou manter armazenadas 85 mil cópias do álbum e exige que o prejuízo seja ressarcido pelo Estado.

Recurso estilístico

Meio ano após a classificação, o Tribunal Administrativo de Colônia retirou o disco do Rammstein da lista. Para a corte, a decisão da agência havia sido ilegal por não fazer um balanço adequado entre liberdade artística e proteção à juventude.

Para o tribunal de Colônia, a representação marcial e exagerada da violência é um recurso estilístico da banda. Trata-se de uma encenação e, por causa desse distanciamento, não pode ser considerada um real excesso de violência, afirmou a corte.

Não se sabe por que o Rammstein só entrou com a ação contra o Estado agora, sete anos depois da decisão do tribunal. O processo no Tribunal Regional de Bonn deve começar em meados deste ano. Os seis integrantes da banda não terão que estar presentes.

LPF/dw/dpa

Leia mais