Rússia impõe sanções econômicas contra Turquia | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 28.11.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Rússia impõe sanções econômicas contra Turquia

Vladimir Putin decreta sanções econômicas em retaliação a abate de caça russo pela força aérea turca. Decisão é tomada após presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, afirmar que está "triste" por causa do incidente.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, assinou um decreto neste sábado (28/11) impondo sanções econômicas contra a Turquia, quatro dias depois de o governo em Ancara abater um caça russo próximo à fronteira com a Síria.

No decreto, que entra em vigor imediatamente, estão medidas como a proibição da importação de alguns produtos, a restrição da contratação de turcos por empresas russas, a suspensão da isenção de vistos para cidadãos da Turquia, a paralisação de voos charter entre os dois países e, ainda, da venda de pacotes turísticos para o país.

O governo em Moscou afirma que o decreto visa "garantir a segurança nacional da Rússia e proteger os cidadãos russos de atividades criminosas e ilegais". Algumas das medidas anunciadas já estavam sendo informalmente aplicadas.

A Turquia exporta principalmente alimentos, produtos agrícolas e têxteis aos russos. Cerca de 200 mil turcos vivem na Rússia.

Erdogan lamenta incidente

Um pouco antes da divulgação da retaliação russa contra o governo em Ancara, o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou no sábado que está "triste" e lamenta o abate do avião militar russo pela força aérea turca na última terça-feira, que deixou as relações entre os dois países mais tensas. O líder renovou ainda o convite para conversar pessoalmente com Putin.

"Estamos verdadeiramente tristes com esse incidente. Desejamos que não tivesse acontecido, mas aconteceu. Espero que algo assim nunca volte a acontecer", assegurou Erdogan. "Esperamos que essa questão entre nós e a Rússia não aumente ainda mais, não se torne corrosiva e não tenha consequências terríveis no futuro."

Erdogan voltou a pedir um encontro "cara a cara" com o colega russo às margens da Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas, na segunda-feira, em Paris. O presidente turco afirmou que a reunião seria uma oportunidade para tentar restabelecer as relações entre os dois países.

Nesta semana, Putin rejeitou o convite do líder turco e alegou que a Turquia não estava interessada em pedir desculpas pelo incidente. O russo considerou a derrubada do caça uma "punhalada nas costas dada por cúmplices de terroristas". Moscou anunciou a restrição de um regime de isenção de vistos para visitantes turcos, depois de ameaçar uma série de medidas de retaliação na área econômica.

Neste sábado, o ministério das Relações Exteriores da Turquia alertou seus cidadãos a adiarem viagens não urgentes e desnecessárias à Rússia. Ancara diz que o caça russo entrou no espaço aéreo turco e ignorou as várias advertências, mas Moscou insiste que o avião não cruzou a fronteira da Síria e exigiu um pedido de desculpas.

FC/rtr/ap/afp/efe/dpa

Leia mais