Rússia anuncia que produziu primeiro lote de vacina contra covid-19 | Notícias internacionais e análises | DW | 15.08.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Rússia anuncia que produziu primeiro lote de vacina contra covid-19

País foi o primeiro do mundo a aprovar uma vacina contra o novo coronavírus. Mas imunizante é visto com ceticismo por outros países, pois não seguiu protocolo de testes e foi aprovado sem publicação de dados.

Foto divulgada pelo Ministério da Saúde russo mostra embalagem das primeiras vacinas contra a covid-19 produzidas no mundo

Foto divulgada pelo governo russo mostra embalagem das primeiras vacinas contra a covid-19 produzidas no mundo

A Rússia informou neste sábado (15/08) que já produziu o primeiro lote de sua vacina contra o coronavírus. O presidente Vladimir Putin havia anunciado no início da semana que a vacina russa foi aprovada para uso no país, mas a droga foi vista com ceticismo pelo resto do mundo.

"O primeiro lote da nova vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pelo Instituto de Pesquisa Gamaleya foi produzido", afirmou o Ministério da Saúde russo em comunicado citado por agências de notícias do país.

Ao anunciar, na última terça-feira, que a Rússia se tornou o primeiro país do mundo a aprovar uma vacina contra o vírus causador da covid-19, Putin disse que a nova droga é segura e se mostrou eficiente em testes. Ele contou ainda que uma de suas filhas já havia sido vacinada.

No entanto, muitos cientistas no país e no exterior têm se mostrado céticos com as declarações do governo russo, questionando a decisão de registrar a vacina antes mesmo dos testes da fase 3, que normalmente duram meses e envolvem milhares de voluntários.

Ainda há desconfiança sobre a falta de publicação de dados em revistas científicas que atestem sua eficácia. Pouco se sabe também sobre as fases de todo o processo de pesquisa e quantas pessoas foram efetivamente testadas.

O anúncio também foi recebido com cautela pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que afirmou não ter recebido informações suficientes para avaliar a vacina russa.

"Acelerar o progresso não deve significar comprometer a segurança", disse o porta-voz da OMS Tarik Jasarevic, acrescentando que a organização está em contato com as autoridades da Rússia e de outros países para analisar o progresso das diferentes pesquisas de vacinas.

A vacina russa foi batizada de Sputnik V, em referência ao pioneiro satélite soviético lançado nos anos 1950, que marcou o início da corrida espacial. Ela foi desenvolvida pelo Instituto de Pesquisa Gamaleya, em Moscou, em parceria com o Ministério da Defesa russo.

A Rússia afirmou que espera dar início à produção industrial da vacina em setembro e planeja estar produzindo 5 milhões de doses por mês até dezembro ou janeiro. Segundo o governo, mais de um bilhão de doses foram encomendadas por 20 países estrangeiros. No Brasil, o governo estadual do Paraná assinou um acordo com Moscou para uma possível parceria futura.

O ministro russo da Saúde, Mikhail Murashko, disse nesta semana que médicos serão vacinados primeiro, e em seguida a vacina será disponibilizada para todos os russos de forma voluntária.

Com mais de 915 mil casos confirmados de covid-19, a Rússia é o quarto país do mundo com mais infectados, atrás apenas dos Estados Unidos, Brasil e Índia. Atualmente, há 92 mil pessoas hospitalizadas por conta do vírus e 2.900 em UTIs, segundo o Ministério da Saúde.

EK/afp/rtr/lusa/abr

________________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Facebook Messenger | Twitter
YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais