1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, contraiu covid-19 quando integrava comitiva de Bolsonaro em Nova York
Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, contraiu covid-19 quando integrava comitiva de Bolsonaro em Nova YorkFoto: Eraldo Peres/AP/picture alliance

Queiroga volta a testar positivo para covid-19

2 de outubro de 2021

Ministro da Saúde permanecerá isolado em hotel de Nova York. Seu primeiro diagnóstico surgiu quando integrava comitiva de Bolsonaro na Assembleia-Geral da ONU, na conturbada passagem da delegação brasileira pela cidade.

https://www.dw.com/pt-br/queiroga-volta-a-testar-positivo-para-covid-19/a-59382852

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, informou nesta sexta-feira (01/10), através de postagem em rede social, que voltou a testar positivo para covid-19, e terá de permanecer nos Estados Unidos.

Queiroga contraiu a doença em 21 de setembro durante uma viagem a Nova York, quando integrava a comitiva do presidente Jair Bolsonaro que participou da 76ª Assembleia-Geral da ONU. Ele acabou não voltando ao Brasil com o restante da delegação e ficou em isolamento no hotel, onde Bolsonaro também estava hospedado.

"Infelizmente, o exame RT-PCR que fiz ontem continua positivo, o que me impede de retornar ao Brasil ainda hoje. Sigo trabalhando a distância para acelerar a imunização dos brasileiros. Agradeço a todos que estão torcendo por mim. Estou sem sintomas e logo logo estarei de volta", escreveu o ministro em seu perfil no Twitter.

Durante a Assembleia-Geral, Queiroga esteve na sede ONU, mas assegura que esteve sempre de máscara. O ministro da Saúde, que já recebeu as duas doses do imunizante contra a covid-19, fez refeições nas ruas nova-iorquinas em companhia de Bolsonaro e de outros ministros.

Ele deu diversas entrevistas na parte externa do hotel onde estava hospedado, além de ter circulado pelas dependências da ONU e pelo Memorial do 11 de Setembro, onde esteve com Bolsonaro, que, por sua vez, não usou máscara.

Passeios e gestos obscenos

Ele também participou da reunião de Bolsonaro com o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson. A notícia de que Queiroga havia contraído o vírus gerou preocupação na comitiva britânica, e fez com que todos os integrantes, inclusive Johnson, fossem submetidos a testes de covid-19.

Queiroga esteve em diversos locais em Nova York, acompanhando Bolsonaro e outros ministros. Ele causou polêmica ao mostrar o dedo médio para manifestantes brasileiros que protestavam contra Bolsonaro.

Após o primeiro diagnóstico do ministro, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou que todos os membros da comitiva que viajou com Bolsonaro para Nova York adotassem regime de quarentena por 14 dias, após o retorno ao Brasil.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, também testou positivo para a doença, pouco depois de retornar ao Brasil com a delegação.

rc (ots)