Protestos contra reforma trabalhista ocorrem em várias cidades | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 10.11.2017

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Protestos contra reforma trabalhista ocorrem em várias cidades

Convocadas por sindicatos e movimentos sociais, manifestações, em ao menos 24 estados e no Distrito Federal, reuniram milhares de pessoas. Mudança na CLT que entra em vigor no sábado.

Centenas de pessoas marcharam em São Paulo contra a reforma

Centenas de pessoas marcharam em São Paulo contra a reforma

Milhares de pessoas protestaram nesta sexta-feira (10/11), em pelo menos 24 estados do país e no Distrito Federal, contra as reformas trabalhista, que entra em vigor neste sábado, e previdenciária. Os atos foram convocados pelas centrais sindicais e movimentos sociais.

O maior protesto ocorreu no Rio de Janeiro. Centenas de pessoas partiram em passeata da Igreja da Candelária até a Cinelândia. O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) do Rio, Marcelo Rodrigues, afirmou que os atos em todo o país visam protestar contra as perdas impostas aos trabalhadores.

"O dia de hoje é para dizer que não vamos aceitar calados essa reforma trabalhista no país. Nós vamos para as ruas para anular ela. As perdas trabalhistas são a volta da escravidão", afirmou Rodrigues.

 Em São Paulo, protesto foi também contra reforma da previdência

Em São Paulo, protesto foi também contra reforma da previdência

O policiamento foi reforçado no Rio de Janeiro. Atos ocorreram também próximo à prefeitura da cidade, na zona portuária, na Casa da Moeda e em frente a Eletrobras, onde os manifestantes protestavam contra a privatização da estatal. Na ponte Rio-Niterói, um carro foi incendiado e na avenida Francisco Bicalho, no centro, foram queimados pneus.

Em São Paulo, centenas de pessoas se reuniram na Praça da Sé e partiram em passeata até a Avenida Paulista. Cartilhas sobre os impactos da reforma foram distribuídas à população.

"Nós queremos construir alguma coisa que seja equilibrada. Essa reforma é essencialmente empresarial. Nada contra os empresários, mas não tem nenhum artigo que tenha um foco social ou olhar sindical", criticou o presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Ricardo Patah.

Leia mais:Reforma trabalhista: o que muda para o brasileiro?

Em Brasília, os manifestantes se reuniram na Esplanada dos Ministérios. A Polícia Militar (PM) estima que o ato reuniu cerca de 150 pessoas. Foram coletadas ainda assinaturas para um projeto de inciativa popular que pede a revogação da reforma trabalhista.

Em Maceió, cerca de 5 mil pessoas foram às ruas contra a reforma. Em Manaus, o protesto reuniu 700 pessoas. Em São Luís, os manifestantes levaram um caixão na passeata e pediram também o fim do trabalho escravo.

Manifestantes seguram cartazes “Fora Temer” em protesto contra reforma trabalhista no Rio

No Rio Janeiro, atos ocorrem em diversos locais da cidade

Em Recife, o ato contou com 5 mil manifestantes. Em Curitiba, o protesto reuniu cerca de 300 pessoas no centro da cidade. Belo Horizonte, Salvador, Porto Alegre estão entre as capitais onde ocorreram manifestações.

Aprovada em julho pelo Congresso, a reforma trabalhista foi alvo de intensos debates na política brasileira. Defendida pelo governo como uma forma de flexibilizar a legislação, corrigir distorções e facilitar contratações, o projeto é visto pelos críticos como uma forma de precarizar ainda mais o mercado de trabalho e enfraquecer a Justiça trabalhista. Eles dizem também que a promessa de criar mais empregos é uma miragem.

CN/efe/afp/abr/ots

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App