Projeto musical sobre massacre armênio faz Turquia se retirar de programa cultural da UE | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 09.10.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Projeto musical sobre massacre armênio faz Turquia se retirar de programa cultural da UE

Questão se foi genocídio ou não a morte de centenas milhares de cristãos armênios segue sensível para a Turquia. Programa da Sinfônica de Dresden tematiza matança que teve envolvimento do Império Alemão, um século atrás.

Dresdner Sinfoniker Projekt aghet – ağıt (Filip Zorzor)

Marc Sinan (esq.) é iniciador do projeto "Aghet", ao lado da Sinfônica de Dresden

Ancara decidiu unilateralmente abandonar o programa Europa Criativa, da Comissão Europeia. Como informou um porta-voz do órgão ao jornal alemão Bild am Sonntag, motivo da decisão foi o projeto musical Aghet – Ağıt, patrocinado pela União Europeia, que tematiza o massacre dos armênios pelo Império Otomano, cerca de 100 anos atrás.

Após estrear na sala de eventos Radialsystem, de Berlim, o programa, uma iniciativa da Sinfônica de Dresden e do compositor e violonista berlinense Marc Sinan, de ascendência turco-armênia, foi apresentado no fim de abril no Centro Europeu das Artes de Dresden.

Já há alguns meses o embaixador da Turquia vinha insistindo para que a UE suspendesse seu patrocínio, porém a Comissão Europeia não se curvou à exigência. Em represália, Ancara agora se retira do acordo cultural assinado em 2014 com a UE, prevendo um total de 1,46 bilhão de euros em verbas de apoio a artistas.

O massacre da minoria cristã armênia entre 1915 e 1923 é um tema delicado para a Turquia. Como sucessora do Império Otomano, Ancara rejeita até hoje a classificação como genocídio das 800 mil a 1,5 milhão de mortes. Em 2 de junho de 2016, o Parlamento alemão reconheceu, numa resolução, o genocídio dos armênios – em que o Império Alemão também esteve envolvido, na época. Desse modo, Berlim alinhou-se a cerca de 30 Estados e a figuras como o papa Francisco.

A Sinfônica de Dresden pretende Aghet, em que músicos alemães, turcos e armênios tocam lado a lado, como um projeto de reconciliação. O músico Marc Sinan e o diretor geral da orquestra, Markus Rindt, declararam-se estarrecidos com a decisão de Ancara.

"É pérfido se aproveitar de Aghet  para punir artistas turcos. [O presidente turco, Recep Tayyip] Erdogan transforma a Turquia cada vez mais num Estado fechado." Em novembro, o polêmico programa sinfônico será apresentado em Istambul.

AV/kna,ots,dw

Leia mais