Portugal libera viagens essenciais do Brasil e relaxa confinamento | Europa | DW | 16.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Europa

Portugal libera viagens essenciais do Brasil e relaxa confinamento

Voos oriundos da maioria da Europa também seguem restritos para casos especiais. Na maioria do país, bares e restaurantes poderão reabrir seus espaços internos.

Homem prepara mesa de restaurante

Após pico de mortes em janeiro, Portugal fez lockdown rigoroso que deu resultados

O governo de Portugal autorizou nesta sexta-feira (16/04) a retomada de voos com o Brasil e o Reino Unido para viagens essenciais. Os voos estavam proibidos desde o final de janeiro devido às variantes da covid-19 identificadas nesses países, consideradas mais perigosas.

Entram na categoria de viagens essenciais as destinadas a permitir o trânsito ou a entrada em Portugal por motivos profissionais, de estudo, de reunião familiar, por razões de saúde ou por razões humanitárias.

Passageiros de voos do Brasil, da África do Sul ou de países com taxa de incidência de covid-19 igual ou superior a 500 casos por 100 mil habitantes têm que cumprir quarentena de 14 dias no seu domicílio ou em local indicado pelas autoridades. Estão nessa lista de países, por exemplo, Bulgária, República Tcheca, Chipre, Croácia, Eslovênia, Estônia, França, Hungria, Holanda, Polônia e Suécia. 

Moradores de países com taxa de incidência igual ou superior a 150 casos por 100 mil habitantes também só podem efetuar viagens essenciais para Portugal. Estão nessa lista, por exemplo, Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Eslováquia, Espanha, Grécia, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Noruega, Romênia e Suíça.

Todos que chegam a Portugal via aérea, exceto crianças que não tenham completado 24 meses de idades, precisam apresentam comprovante de exame RT-PCR para covid-19 realizado nas 72 horas anteriores ao embarque, com resultado negativo.

Fronteira com a Espanha

O governo português também informou nesta sexta que manterá as restrições nas fronteiras terrestres e fluviais com a Espanha por mais 15 dias, que limitam a circulação entre os países vizinhos.

Segundo as regras em vigor, é permitida a passagem em apenas 18 pontos da fronteira, para transporte internacional de mercadorias, trabalhadores transfronteiriços e de caráter sazonal devidamente documentados, veículos de emergência e socorro e serviço de urgência.

Desconfinamento

Nesta quinta, o primeiro-ministro português, António Costa, anunciou que a maior parte do país progredirá à terceira fase do desconfinamento, que autoriza a retomada do ensino presencial para alunos de escolas e universidades, a reabertura do interior de restaurantes e cafés para grupos de até quatro pessoas e a reabertura de lojas com regras de lotação máxima.

Em 5 de abril, o governo já havia liberado a prática de alguns esportes, como surfe, tênis, golfe e remo, e autorizado os moradores a irem a museus e parques, desde que respeitada a distância mínima de dois metros entre as pessoas. Restaurantes e cafés com área externa também puderam reabrir esses espaços, com grupos limitados a quatro pessoas por mesa.

Cinco municípios do país – Alandroal, Albufeira, Carregal do Sal, Figueira da Foz, Marinha Grande – porém, deverão permanecer na segunda fase de desconfinamento. Quatro deles – Moura, Odemira, Portimão e Rio Maior – deverão regredir à primeira fase, devido à alta incidência de novos casos de covid, e seus moradores não podem viajar para outras cidades salvo em casos especiais.

Portugal enfrentou um pico de casos e mortes por covid-19 no início do ano, mas realizou um duro lockdown a partir de 15 de janeiro, que começou a dar resultados a partir do mês seguinte.

No final de janeiro, Portugal registrou uma média móvel de sete dias de 290 novas mortes e mais de 12 mil novos casos por dia, números alarmantes para um país com cerca de 10 milhões de habitantes. No momento, Portugal vem registrando média móvel de cerca de 5 novas mortes e 530 novos casos por dia.

bl (ots)