Populistas de direita lançam novo bloco no Parlamento Europeu | Notícias internacionais e análises | DW | 13.06.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Europa

Populistas de direita lançam novo bloco no Parlamento Europeu

Grupo eurocético inclui alemã AfD e partidos de Le Pen e Salvini, mas foi rejeitado por forças populistas de Reino Unido, Hungria e Polônia. Seus 73 eurodeputados formarão quinta maior bancada do Legislativo da UE.

O italiano Marco Zanni, da Liga, a francesa Marine Le Pen, do RN, e o alemão Jörg Meuthen, do AfD, durante o lançamento oficial do novo bloco, em Bruxelas

Marco Zanni, da Liga, Marine Le Pen, do RN, e Jörg Meuthen, da AfD, durante o lançamento do novo bloco em Bruxelas

Partidos populistas de direita eurocéticos com assentos no Parlamento Europeu formaram nesta quinta-feira (13/06) um novo bloco parlamentar batizado de Identidade e Democracia (ID). O grupo inclui legendas como a Liga, da Itália, Reunião Nacional (RN), da França, e Alternativa para a Alemanha (AfD).

Com 73 eurodeputados, o novo bloco parlamentar será a quinta força do Parlamento Europeu, apenas atrás dos partidos conservadores centristas, os social-democratas, os liberais e o verdes. Ao todo, o Parlamento conta com 751 cadeiras.

O partido Liga, liderado pelo ministro do Interior e vice-premiê da Itália, Matteo Salvini, será a maior força dentro do ID, com 28 assentos, à frente do RN (22) e do AfD (11). O bloco ainda vai contar com eurodeputados da Áustria, Finlândia e Dinamarca.

"Nós mudamos o tabuleiro do xadrez político da União Europeia", disse a francesa Marine Le Pen, líder do Reunião Nacional, em coletiva de imprensa após o anúncio da criação do bloco, em Bruxelas. "A situação tem que mudar porque os eleitores estão exigindo isso."

"Este é um novo projeto, uma maneira muito nova de se aproximar da Europa", disse o eurodeputado Marco Zanni, da Liga. "A Europa tem de ser construída com base na sua diversidade."

Já Jörg Meuthen, porta-voz da AfD, disse que o bloco vai se dedicar a combater o "enfraquecimento do Estado-nação" e defendeu que o bloco lute contra as sanções impostas pela União Europeia à Rússia.

Os partidos populistas de direita receberam 23,4% dos votos nas eleições para o Parlamento Europeu no mês passado, ficando um pouco aquém das previsões de alguns analistas e expectativas de políticos de extrema direita. Antes da formação do ID, o principal bloco eurocético do Parlamento era o grupo Europa das Nações e da Liberdade, que tinha 36 eurodeputados.

A bancada do ID poderia ser ainda mais numerosa, mas o partido não conseguiu atrair forças populistas eurocéticas do Reino Unido, da Hungria e da Polônia. O britânico Nigel Farage, do Partido Brexit, que conta com 29 eurodeputados, recusou a aliança.

Já os húngaros do partido Fidesz, liderado pelo premiê Viktor Orbán, preferiram permanecer no bloco do Partido Popular Europeu, de tendência liberal-conservadora.

Os poloneses do Partido Lei e Justica (PiS), por sua vez, que conta com 26 eurodeputados, também rejeitaram aderir ao ID alegando que Le Pen e Salvini possuem posições "pró-Rússia" que são "inaceitáveis".

JPS/dpa/ap/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais