1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Pessoas com bandeiras dos EUA forçam a entrada no prédio. Policiais tentam impedir.
Em 6 de janeiro,apoiadores radicais de Trump invadiram a sede do Congresso americanoFoto: Brendan Smialowski/AFP/Getty Images
PolíticaEstados Unidos

Policiais processam Trump por invasão ao Capitólio

31 de março de 2021

Dois agentes culpam Trump por incentivar o ataque, que resultou na morte de cinco pessoas. Ambos alegam que sofreram danos "físicos e emocionais".

https://www.dw.com/pt-br/policiais-processam-trump-por-invas%C3%A3o-ao-capit%C3%B3lio/a-57068704

Dois policiais que trabalham no Capitólio abriram um processo contra o ex-presidente Donald Trump nesta terça-feira (30/03), por incitar a invasão à sede do Congresso americano, em 6 de janeiro. Ambos alegam que tiveram danos "físicos e emocionais" durante o ataque, que culminou com a morte de cinco pessoas, entre elas um policial.

James Blassingame e Sidney Hemby pedem uma indenização de, ao menos, 75 mil dólares cada um.

"Os insurgentes foram incitados pelo comportamento de Trump, que por vários meses fez seus seguidores acreditarem que ele estava prestes a ser removido à força da Casa Branca por fraude eleitoral em massa", diz o processo movido na corte federal em Washington.

"A turba de insurgentes que Trump inflamou, encorajou, estimulou, dirigiu e incitou, entrou à força e passou por cima dos demandantes e seus colegas, perseguindo-os e atacando-os", afirma o documento.

Blassingame, um afroamericano que trabalha há 17 anos no Capitólio, disse que teve ferimentos na cabeça e nas costas e sofre emocionalmente com o evento. Ele também alega ter sofrido ataques racistas pelos simpatizantes de Trump.

Hemby, que trabalha há 11 anos no local, teve ferimentos nas mãos e nos joelhos, depois de ser esmagado contra as portas do prédio e foi borrifado no rosto e no corpo com spray químico. "O oficial Hemby normalmente tem uma atitude calma, mas tem lutado para controlar as consequências emocionais de ser atacado implacavelmente", diz o processo, que compila vários exemplos de ocasiões em que Trump encorajou a insurreição.

Na época, o ex-presidente negou responsabilidade pelos distúrbios.

O processo também afirma que Trump alimentou a violência durante a campanha presidencial de 2020, vencida pelo democrata Joe Biden, e disseminou a falsa afirmação de que a eleição havia sido fraudada.

"Durante sua campanha de 2016, e durante sua presidência, Trump ameaçou usar violência contra seus oponentes, encorajou seus seguidores a cometer atos de violência e tolerou atos de violência por parte de seus seguidores, incluindo supremacistas brancos e grupos de ódio de extrema direita", diz o documento.

O processo também cita momentos em que Trump incentivou seus apoiadores a marcharem até o Capitólio, incluindo um tweet de 19 de dezembro: "Grande protesto em DC em 6 de janeiro. Esteja lá, será selvagem".

"O tweet de Trump em 19 de dezembro sobre o comício de 6 de janeiro foi considerado por muitos de seus apoiadores como um apelo literal às armas", consta no processo.

Em 6 de janeiro, apoiadores de Trump descontentes com a vitória de Biden invadiram o Capitólio durante a sessão conjunta do Congresso que certificaria a vitória do democrata nas eleições presidenciais, forçando a saída abrupta de parlamentares e a interrupção da cerimônia.

Militantes que defendem Trump conseguiram romper diversas barreiras erguidas pela polícia, invadiram o prédio do Congresso e foram vistos em diversos locais do edifício. Um dos manifestantes sentou-se na cadeira da presidência do Senado e passou a gritar "Trump venceu essa eleição!"

Por incentivar a insurreição, Trump sofreu um processo de impeachment. No entanto, ele foi absolvido no Senado

le (reuters, afp)