Pfizer confirma entrega de mais 100 milhões de doses ao Brasil | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 15.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Pfizer confirma entrega de mais 100 milhões de doses ao Brasil

De acordo com o Ministério da Saúde, imunizantes chegarão ao Brasil entre setembro e novembro. Anúncio de nova compra de vacinas ocorre em meio à CPI da Pandemia, que investiga possíveis omissões do governo.

Muitas ampolas da vacina. Ela tem tampa roxa.

Imunizante exige armazenamento em temperaturas baixíssimas

A farmacêutica americana Pfizer confirmou nesta sexta-feira (14/05) que assinou um novo contrato com o governo brasileiro para a venda de 100 milhões de doses da vacina contra covid-19 desenvolvida em parceria com a empresa alemã BioNTech.

Na terça-feira, o Ministério da Saúde adiantou que havia fechado um novo acordo com a Pfizer, mas que ainda aguardava a assinatura da farmacêutica.

"Estamos muito felizes em celebrar este acordo adicional com o governo brasileiro e assim ampliar nosso apoio à imunização de milhões de brasileiros", disse Marta Díez, presidente da Pfizer Brasil, em comunicado.

De acordo com o Ministério da Saúde, os 100 milhões de doses serão entregues entre setembro e novembro e se somam a outros 100 milhões de um contrato firmado em março.

O primeiro lote com 1 milhão de doses da vacina da Pfizer-BioNTech chegou ao Brasil no final de abril e foi destinado às capitais, devido à dificuldade de logística, já que o imunizante exige armazenamento em temperaturas baixíssimas. Conforme o cronograma, está prevista a entrega de outros 2,5 milhões em maio e 12 milhões em junho.

Aquisição em meio à CPI

O anúncio desta sexta-feira ocorre em meio à CPI da Pandemia, que investiga possíveis omissões do governo federal na condução da crise sanitária no Brasil, e um dia após o depoimento aos senadores do gerente-geral da Pfizer para a América Latina, Carlos Murillo, que afirmou que a companhia fez ao menos cinco ofertas de imunizantes ao Brasil no ano passado, todas ignoradas pelo governo federal.

Segundo Murillo, a primeira proposta da Pfizer ao Brasil foi feita em 14 de agosto de 2020. A empresa ofereceu contratos para a compra de 30 milhões ou 70 milhões de doses da vacina. Depois de uma primeira reunião, a farmacêutica procurou o governo outras duas vezes ainda em agosto de 2020, com propostas semelhantes, mas o governo ignorou as ofertas da empresa, que tinham validade de 15 dias, segundo o representante da Pfizer. "Passados esses 15 dias, o governo do Brasil não rejeitou, mas tampouco aceitou."

Após os contatos de agosto, a empresa voltou a procurar o governo brasileiro duas vezes em novembro. 

Isso soma cinco ofertas ignoradas pelo governo Bolsonaro em 2020. Elas se juntam a uma sexta proposta feita pela Pfizer em 15 de fevereiro de 2021, também recusada.

le (Agência Brasil, ots)

Leia mais