Pesquisas indicam vitória da oposição na Polônia | Notícias internacionais e análises | DW | 25.10.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Pesquisas indicam vitória da oposição na Polônia

Em eleição parlamentar, partido Lei e Justiça (PiS) obtém 39,1% dos votos, segundo boca de urna. Dessa maneira, conservadores conquistam maioria absoluta no Parlamento. Beata Szydlo deve ser nova primeira-ministra.

Os conservadores católicos do partido Lei e Justiça (PiS) obteve neste domingo (25/10) a maioria absoluta nas eleições parlamentares na Polônia, de acordo com projeções divulgadas por três emissoras de televisão polonesas.

De acordo com o resultado das pesquisas de boca de urna, o PiS alcançou 39,1% dos votos, o que equivaleria a 242 dos 460 assentos no Parlamento. Assim, o partido teria a maioria absoluta na Casa.

A candidata do partido conservador e nacionalista a chefe do governo é a antropóloga Beata Szydlo, de 52 anos, que defende a importância dos valores católicos e patrióticos, propõe uma redistribuição da riqueza para beneficiar as classes trabalhadoras e é contrária a aceitar todas as diretrizes que chegam de Bruxelas.

"Essa vitória é mérito de todos vocês", afirmou Szydlo. O PiS é liderado pelo eurocético Jaroslaw Kaczynski que foi primeiro-ministro entre 2006 e 2007.

O segundo partido mais votado, segundo as projeções, é a Plataforma Cívica (PO), de centro-direita, da atual primeira-ministra Eva Kopacz, com 23,4% dos votos e, dessa maneira, 133 deputados. Logo após a divulgação das pesquisas, Kopacz que governou o país por oito anos admitiu a derrota.

"Não desperdiçamos os últimos oito anos. A Polônia é um país que registrou um crescimento econômico, uma redução na taxa de desemprego. Essa é a Polônia que deixamos aos vencedores das eleições", disse Kopacz aos membros do seu partido, na sede em Varsóvia.

Pela primeira vez, desde o colapso do comunismo no país, em 1989, os partidos de esquerda ficaram fora do parlamento.

CN/lusa/dpa/afp/rtr

Leia mais