Pesquisa aponta piora global na aceitação de migrantes | Notícias internacionais e análises | DW | 24.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Pesquisa aponta piora global na aceitação de migrantes

Maior aumento da intolerância é registrado na América do Sul, após crescimento do fluxo de refugiados da Venezuela. Sete países europeus estão entre os 10 menos receptivos.

Adultos e crianças comem em refeitório

Centro colombiano de acolhida a refugiados da Venezuela

A tolerância global em relação a migrantes diminuiu entre 2016 e 2019, revelou um levantamento realizado pela empresa de pesquisa de opinião Gallup. A maior queda foi verificada na América do Sul, onde vários países experimentaram um grande fluxo de refugiados da Venezuela.

Publicado pelo Gallup nesta quarta-feira (23/09), o Índice de Aceitação de Migrantes dá pontuações aos países com base nas respostas dos entrevistados, que foram questionados sobre a ideia de ter migrantes vivendo em seu país, se mudando para sua vizinhança e se casando com membros de sua família. A média global caiu de 5,34 pontos em 2016 para 5,21 em 2019. A pontuação máxima do índice é de nove.

Segundo a especialista em migração da Gallup Julie Ray, a leve queda na aceitação de migrantes foi puxada principalmente pelos países latino-americanos. As maiores quedas de tolerância foram verificadas no Peru, Equador e Colômbia, devido ao fluxo de pessoas que fogem da Venezuela.

A pontuação do Peru caiu de 6,33 em 2016 para 3,61, enquanto o número de colombianos que veem positivamente os migrantes vivendo em seu país caiu de 61% para 29%. A Colômbia é o país que sofreu maior impacto do êxodo venezuelano.

Sete países europeus estão entre os 10 menos tolerantes do índice, lista que é liderada por Macedônia do Norte, Hungria, Sérvia e Croácia.

Os Estados membros da União Europeia se reuniram nesta quarta-feira para discutir uma nova política de migração conjunta.

Entre os países europeus onde houve as maiores variações negativas, estão Bélgica e Suíça. Na Bélgica, sede do Parlamento Europeu, a pontuação caiu para 1,33.

Assistir ao vídeo 01:39

Maior campo de refugiados da Grécia amanhece em chamas

Outro país que desempenhou um papel significativo na política de imigração da UE também revelou ter atitudes amplamente negativas em relação à imigração. A Turquia, que se tornou o lar de cerca de 4 milhões de refugiados como parte de um acordo com o bloco europeu, foi o décimo país que menos aceita migrantes, de acordo com a pesquisa da Gallup.

No entanto, um país do Leste Europeu de tolerância tradicionalmente baixa para a imigração registrou um aumento nas atitudes positivas e tolerantes. Uma parcela de 42% dos entrevistados poloneses disse considerar os migrantes que vivem no país como algo bom, contra 29% constatados três anos antes.

O Canadá lidera a lista de nações mais tolerantes em relação a migrantes, seguido por Islândia e Nova Zelândia, de acordo com o índice, que é baseado em mais de 140 mil entrevistas realizadas em 145 países e regiões. Na UE, somente Suécia e Irlanda estão entre os 10 países mais tolerantes do ranking.

O primeiro Índice de Aceitação de Migrantes da Gallup foi realizado em 2016, em meio à reação após a crise migratória de 2015 na Europa, quando mais de 1 milhão de pessoas entraram no continente, fugindo da guerra e pobreza no Oriente Médio, Ásia e África.

Apesar de uma série de políticas anti-imigração implementadas pelo governo do presidente americano, Donald Trump, os Estados Unidos ficaram em sexto lugar entre os mais receptivos aos migrantes. Quando questionados sobre a mudança de imigrantes para seu bairro, 90% dos entrevistados nos Estados Unidos disseram que é algo bom.

Entre aqueles que apoiaram Trump, a pontuação média foi de 7,1 em nove. A maior diferença foi entre as gerações mais jovens e mais velhas, com os de 16 a 29 anos de idade marcando 8,34 e aqueles com mais de 65 anos marcando cerca de um ponto a menos, 7,37.

Mundialmente, o índice mostrou que a aceitação dos migrantes foi maior entre as gerações mais jovens, pessoas com níveis mais elevados de educação e aqueles que vivem em áreas urbanas.

MD/rtr/dw

Leia mais