Pazuello diz que vacinação emergencial pode começar em dezembro | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 09.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Pazuello diz que vacinação emergencial pode começar em dezembro

Ministro muda o tom e diz que processo de imunização pode ser acelerado se governo fechar acordo com Pfizer. Mas presidente da empresa já apontou que não vê possibilidade de vacinação - mesmo tímida - antes de janeiro.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello

"A vacina que estiver registrada na Anvisa será comprada e distribuída para todos os brasileiros", disse o ministro

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, mudou o tom nesta quarta-feira (09/12) e disse que a vacinação contra a covid-19 pode ter início em caráter emergencial no país no final de dezembro ou em janeiro, enquanto a imunização ampla da população pode começar em janeiro ou fevereiro.

Em entrevista à emissora CNN, Pazuello disse que essa previsão – mais otimista que uma declaração dele na véspera – depende de o governo conseguir fechar um contrato em negociação com a farmacêutica Pfizer, e de esta conseguir autorização emergencial da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

No entanto, na terça-feira, o presidente da Pfizer Brasil, Carlos Murillo, disse, em audiência pública na comissão externa da Câmara dos Deputados, que a empresa só poderia entregar vacinas em janeiro. Segundo Murillo, a empresa será capaz de entregar no primeiro trimestre de 2021 uma quantidade de vacinas contra covid-19 suficiente para imunizar apenas 2 milhões de brasileiros.

"Alguns países vão começar agora em dezembro. Nós, em dezembro, não conseguimos. Nosso objetivo realmente teria que ser janeiro", disse Murillo.

A vacina da empresa americana, desenvolvida em parceria com o laboratório alemão BioNtech, é a mesma aprovada no Reino Unido, que se tornou na terça-feira o primeiro país do Ocidente a começar a imunização em massa de sua população contra o coronavírus.

"O uso emergencial pode acontecer agora em dezembro, em hipótese, [...] se nós fecharmos o contrato com a Pfizer. O 'se' é porque o contrato está sendo fechado. Desculpa o gerúndio. Se a Pfizer conseguir autorização emergencial e se a Pfizer nos adiantar alguma entrega, isso pode acontecer em janeiro, final de dezembro", disse Pazuello.

"Isso em quantidade pequenas, que são de uso emergencial. Isso pode acontecer com a Pfizer, pode acontecer com o Butantan, pode acontecer com a AstraZeneca, mas isso aí é foro íntimo da desenvolvedora. Não é uma campanha de vacinação", acrescentou.

Segundo o ministro, dependendo da quantidade de doses de vacinas entregues pelos laboratórios, bem como da aprovação concedida pela Anvisa, "é bem provável que entre janeiro e fevereiro nós estejamos vacinando a população brasileira".

Pazuello ainda garantiu que a vacina desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac, a Coronavac, também será usada no plano nacional de imunização se for aprovada pela agência reguladora.

A Coronavac está no centro de uma disputa política entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), seu adversário político, depois de o tucano ter firmado um acordo com o laboratório chinês para compra e produção do imunizante no Brasil, em parceria com o Instituto Butantan, ligado ao governo paulista.

Em outubro, Pazuello chegou a ser desautorizado por Bolsonaro após anunciar a intenção do governo federal de comprar 46 milhões de doses da vacina chinesa. Algumas horas depois da fala do ministro, o presidente disse que o país não compraria o imunizante.

"A vacina que estiver registrada na Anvisa e garantida sua eficácia e segurança será comprada e distribuída para todos os brasileiros", declarou Pazuello nesta quarta-feira à CNN.

Pazuello informou que 15 milhões de doses da vacina desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, primeira aposta do governo federal, e outras 500 mil doses do imunizante da Pfizer/BioNtech estão previstas para chegar ao país em janeiro. Ele disse não ter informações sobre os números da Coronavac.

"Se o registro chegar para nós em janeiro, nós já teremos doses da Pfizer e da AstraZeneca entregues. Se o Butantan já estiver com seus registros, já teremos Butantan também. Os quantitativos dependem da previsão da entrega", disse. "Estamos trabalhando para começar a vacinar quase imediatamente após recebida a aprovação de uso emergencial por parte da Anvisa", disse o general.

Ao todo, o governo federal já garantiu a compra de ao menos 300 milhões de doses de vacinas para o próximo ano. Dessas, 100 milhões são da AstraZeneca/Oxford, 160 milhões são do mesmo imunizante produzido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), e 40 milhões são do consórcio Covax Facility, que reúne empresas e governos de diversos países.

A previsão anunciada por Pazuello nesta quarta-feira é mais otimista do que a declaração feita por ele na véspera. Em uma reunião com governadores, o ministro dissera que a Anvisa deveria levar cerca de 60 dias para aprovar a aplicação em massa de qualquer vacina contra a covid-19.

Assim, o governo federal não previa receber uma aprovação da agência antes de fevereiro. A estimativa ia de encontro ao plano de imunização anunciado por Doria na segunda-feira, que prevê o início da vacinação no estado de São Paulo já em 25 de janeiro de 2021, com a Coronavac.

EK/ots

Leia mais