Partido Verde alemão mantém favoritismo para suceder Merkel | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 08.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Partido Verde alemão mantém favoritismo para suceder Merkel

Pesquisa sugere consolidação da preferência do eleitorado pelo partido de Annalena Baerbock. Vacinação contra covid-19 é apoiada por 75% dos alemães, mas seis em cada dez desaprovam políticas de combate à pandemia.

Segundo pesquisa, candidata do Partido Verde, Annalena Baerbock, venceria também no voto direto

Segundo a pesquisa, candidata do Partido Verde, Annalena Baerbock, venceria também no voto direto

Uma pesquisa de opinião divulgada nesta sexta-feira (07/05) confirma a tendência registrada nas semanas anteriores e coloca o Partido Verde à frente das legendas governistas na preferência dos eleitores, visando as eleições de 23 de setembro.

Estas serão as primeiras eleições em mais de 15 anos sem a chanceler federal Angela Merkel, que está próxima de encerrar seu quarto mandato à frente do governo da Alemanha.

A pesquisa Deutschlandtrend sugere que as legendas que compõem a chamada Grande Coalizão, formada pela União Democrata Cristã (CDU), da chanceler federal Angela Merkel, e pelo Partido Social-Democrata (SPD), não têm mais o apoio da maioria dos votantes.

Os verdes tem 26% da preferência dos eleitores (aumento de 4% em relação à pesquisa anterior), enquanto a popularidade da CDU e sua legenda coirmã na Baviera, a União Social Cristã (CSU), caiu para 23% (queda de 4%). O SPD é o preferido de 14% dos entrevistados (-1%).

Entre os demais partidos, a legenda populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD) aparece como a quarta força política do país, com 12% das intenções de voto, seguida do Partido Liberal Democrático (FDP), com 11%, e do A Esquerda (6%).

Verdes venceriam também no voto direto

A preferência dos eleitores pelos partidos parece refletir a escolha dos nomes indicados pelas maiores legendas alemãs. Se os alemães pudessem votar diretamente nos candidatos que concorrem à sucessão de Merkel, 28% escolheriam Annalela Baerbock, do Partido Verde.

O democrata-cristão Armin Laschet seria escolhido por 21%, sendo que apenas metade dos eleitores da CDU/CSU disseram que votariam nele. O candidato do SPD, o vice-chanceler e ministro das Finanças, Olaf Scholz, também receberia 21% dos votos.

A eleição do chanceler federal alemão é indireta e realizada pelo Bundestag (Parlamento). Com a indicação de um nome antes do início da campanha, os partidos deixam claro para os eleitores quem eles indicarão para a eleição indireta no Bundestag caso venham a liderar uma coalizão de governo.

Entre os três principais candidatos, Baerbock é vista como a mais simpática (44%), à frente de Scholz (18%) e Laschet (17%). Além disso, seu trabalho na política recebeu a aprovação de 41% dos entrevistados.

O social-democrata foi considerado como o mais apto para liderar por 31% dos entrevistados, contra 23% que escolheram Laschet e 20% que optaram por Baerbock. 

A candidatura de Laschet parece ter dificuldades para decolar. Sua popularidade está estagnada desde que recebeu a indicação do partido, no dia 19 de março. Seus números estão bem abaixo dos 32,9% de apoio que a CDU/CSU angariou nas eleições de 2017.

Merkel, depois de quase 16 anos à frente do governo, ainda é, de longe, a política mais popular da Alemanha.

Críticas à gestão da pandemia e apoio à vacinação

A pandemia de covid-19 é o tema prioritário para os eleitores alemães, em meio à terceira onda da doença, que vem apresentando sinais de alívio nos últimos dias.

Em 2020, a reação do governo ao coronavírus tinha grande apoio dos eleitores, mas esse quadro mudou um ano mais tarde, com o aumento do descontentamento em relação à gestão da crise pelo governo e em razão dos atrasos no início da vacinação.

Segundo a pesquisa, seis em cada dez alemães estão descontentes, enquanto um terço da população se diz satisfeita com a atuação do governo. Os mais críticos sãos os eleitores da AfD, com 91% de rejeição. A legenda populista adotou uma plataforma contrária às medidas de restrição, como o distanciamento social e a imposição de lockdowns.

As medidas para conter as transmissões da doença são consideradas apropriadas por 40% dos alemães, enquanto 26% avaliam que elas deveriam ser mais rígidas. Para 30% dos entrevistados, as restrições são excessivas.

A sondagem registrou um aumentou do apoio à vacinação. Em fevereiro, 60% das pessoas estavam dispostas a se vacinarem. Atualmente, esse percentual é de 75%, aumentando de acordo com a idade.

A Deutschlandtrend, realizada pelo instituto Infratest-Dimap entre 3 e 5 de maio, entrevistou 1.351 pessoas em toda a Alemanha.

rc (DW, OTS)

Leia mais