Parlamento turco prolonga estado de emergência | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 03.01.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Parlamento turco prolonga estado de emergência

Proposta do partido de Erdogan estende por três meses regime de exceção adotado desde a tentativa frustrada de golpe de estado. Justificativa é conter influência de clérigo Fethullah Gülen nas instituições públicas.

O Parlamento turco aprovou nesta terça-feira (03/01) a extensão por mais três meses do estado de exceção em vigor no país desde a tentativa fracassada de golpe de estado, ocorrida em julho do ano passado.

A proposta do partido islamita AKP, liderado pelo presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, foi aprovada com votos da legenda e do Movimento Nacionalista (MHP). A decisão foi tomada três dias depois do atentado terrorista na casa noturna Reina, em Istambul, que deixou 39 mortos.

O Partido Republicano do Povo (CHP) e o pró-curdo Partido Democrático do Povo (HDP) votaram contra a extensão, alegando violação de direitos humanos e restrições à liberdade de expressão.

A justificativa do governo é de que a Turquia está sob forte ameaça de várias organizações terroristas e de que é preciso erradicar a influência de seguidores de Fethullah Gülen nas instituições públicas turcas. O regime de Erdogan atribui a tentativa de golpe ao clérigo islamista, que nega as acusações.

Detenções

O estado de emergência, que já tinha sido prolongado uma vez, levou à detenção de mais de 40 mil pessoas, incluindo membros das Forças Armadas, funcionários públicos e acadêmicos. A nova prorrogação irá começar no dia 20 de janeiro e valerá até 20 de abril.

O regime de exceção dá poderes ao governo para cercear associações e grupos de mídia e permite às autoridades prolongar detenções mesmo sem acusação formal.

Nas próximas semanas, o partido AKP tentará aprovar a proposta de convocação de um referendo constitucional para instaurar um sistema presidencialista na Turquia. O objetivo é conferir ainda mais poderes a Erdogan.

KG/efe/lusa/afp

Leia mais