Parlamento sul-coreano vota impeachment nesta sexta | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 08.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Parlamento sul-coreano vota impeachment nesta sexta

Presidente é acusada de cumplicidade em caso de tráfico de influência envolvendo amiga íntima. Proposta tem de ser aprovada por dois terços dos 300 deputados, o que envolve ao menos 28 votos do partido governista.

O Parlamento da Coreia do Sul apresentou nesta quinta-feira (08/12) uma moção para a destituição da presidente do país, Park Geun-hye, enfraquecida pelo maior escândalo político dos últimos anos. A votação para dar início ao processo de cassação de Park deve acontecer nesta sexta-feira.

Para ser aprovada, é necessário o apoio de no mínimo dois terços dos 300 deputados do Parlamento – o que envolve todos os votos da oposição e mais os de pelo menos 28 deputados do partido do governo, o Saenuri.

Além da aprovação no Parlamento, ainda seria necessário o voto de seis dos nove juízes do Tribunal Constitucional. O prazo para a Corte anunciar a decisão é de 180 dias, o que significa que a crise que vem afetando a Coreia do Sul nas últimas semanas ainda poderá se arrastar por meses.

Park é acusada de cumplicidade em um caso de tráfico de influência e fraude protagonizado por uma amiga íntima, Choi Soon-sil, que, por sua vez, é suspeita de ter interferido em assuntos de Estado sem possuir cargo público. Choi e dois antigos assessores presidenciais, também teriam pressionado mais de 50 empresas do país a doar 65,7 milhões de dólares a duas fundações.

Dezenas de milhares de pessoas saíram às ruas nas últimas semanas para pedir a demissão da presidente. O escândalo, que ficou conhecido como "Choi Soon-sil Gate", reduziu a taxa de aprovação da presidente para 5%, o menor índice já registrado para um chefe de Estado coreano desde os protestos pró-democratização na década de 1980.

A primeira mulher presidente da Coreia do Sul poderia, portanto, se tornar a primeira chefe de Estado a ser destituída. Em 2004, o impeachment contra o ex-presidente Roh Moo-hyun foi rejeitado pelo Tribunal Constitucional.

O mandato de Park termina dentro de 15 meses. Caso ela se demita antes, a lei obriga a eleições no prazo de 60 dias. 

IP/dpa/efe/lusa

Leia mais