Parlamento aprova governo de unidade em Israel | Notícias internacionais e análises | DW | 07.05.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Parlamento aprova governo de unidade em Israel

Após três eleições sem vencedor claro e meses de impasse político, rivais Netanyahu e Gantz recebem aval do Knesset para seu governo conjunto, que prevê partilha de poder entre ambos: cada um será premiê por 18 meses.

Benny Gantz e Benjamin Netanjahu

Pastas do governo serão partilhadas equitativamente entre os campos políticos de Gantz (esq.) e Netanyahu

O Knesset (Parlamento de Israel) aprovou nesta quinta-feira (07/05) a formação de um governo de unidade, pondo fim à mais longa crise política da história de Israel. Depois de três eleições sem maioria clara e um impasse que já durava um ano, o governo de unidade entre o primeiro-ministro em exercício, Benjamin Netanyahu, e o seu rival Benny Gantz recebeu o apoio de 71 dos 120 deputados, e 37 votaram contra.

O resultado era esperado, pois o direitista Likud, de Netanyahu, e a coligação centrista Azul e Branco, de Ganz, e os aliados de ambos dispõem de maioria no Knesset.

Porém, os deputados também aprovaram emendas constitucionais que obrigam Netanyahu a dividir o poder com Gantz: eles irão se alternar no cargo de primeiro-ministro.

O acordo de coalizão prevê que Netanyahu seja premiê por 18 meses. Em outubro de 2021, ele deverá ceder o cargo para ex-chefe do Estado Maior das Forças Armadas. Ambos serão empossados na mesma cerimônia, na próxima quarta-feira.

Na noite desta quarta-feira, o Supremo Tribunal de Israel, ao qual recorreram diferentes organizações com dúvidas sobre a legalidade do acordo, finalmente deu luz verde ao pacto, sem, no entanto, ilibar Netanyahu, acusado em três diferentes casos de corrupção e cujo julgamento foi adiado devido à pandemia do novo coronavírus.

"Não encontramos qualquer razão legal que impeça o primeiro-ministro Netanyahu de formar um governo, mas essa conclusão não diminui em nada a gravidade das acusações contra o primeiro-ministro Netanyahu", afirmaram os juízes. O julgamento deverá começar ainda em maio.

O premiê em exercício nega as acusações. Ele apenas terá que renunciar se for considerado culpado ao fim do processo.

Netanyahu e Ganz apresentarão o seu governo na próxima quarta-feira. As pastas serão partilhadas equitativamente entre os dois campos.

O próximo governo tem como principais tarefas gerenciar o fim do confinamento imposto devido ao novo coronavírus e levantar a economia de Israel, afetada pela pandemia. Também terá de decidir sobre o projeto de anexação de partes da Cisjordânia ocupada.

A crise ligada à pandemia da covid-19, que já infectou 16 mil pessoas em Israel, 239 das quais morreram, e fez subir o desemprego de 3,4% para 27%, foi a razão apontada por Gantz para mudar de posição e aceitar formar um governo de união com Netanyahu.

A decisão causou revolta em alguns setores do partido de Gantz, e dois aliados o acusaram de se render ao seu rival de longa data.

AS/afp/lusa/dpa

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais