Parlamento é dissolvido e Israel terá quarta eleição em dois anos | Notícias internacionais e análises | DW | 22.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Israel

Parlamento é dissolvido e Israel terá quarta eleição em dois anos

Governo de coalizão entre Benjamin Netanyahu e Benny Gantz entra em colapso após conflito sobre o orçamento. Premiê segue como interino até o próximo pleito, que deve ocorrer em março.

Israel Netanjahu

De acordo com analistas, a crise do orçamento foi a maneira que Netanyahu encontrou para provocar novas eleições e evitar ceder o poder a Gantz

O Knesset (Parlamento israelense) foi dissolvido na noite desta terça-feira (22/12) após os deputados não terem chegado a um acordo para aprovar o orçamento do Estado, marcando o colapso da coalizão entre Benjamin Netanyahu e Benny Gantz após sete meses de governo.

Os parlamentares israelenses tinham até terça-feira às 23h59 no horário local (18h59 Brasília) para aprovar um orçamento e evitar novas eleições, a quarta em cerca de dois anos. Agora, o país deve voltar a ser palco de um novo pleito em março de 2021. Até lá, o primeiro-ministro Netanyahu seguirá no comando do país de forma interina.

A última eleição ocorreu em março deste ano. Segundo a lei, se o orçamento não fosse aprovado até a meia-noite de terça-feira, a Casa teria que ser dissolvida.

As divergências sobre o orçamento provocaram um duro golpe na frágil coalizão de governo formada em março entre o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e seu antigo rival Benny Gantz.

Após três pleitos que não resultaram em um vencedor claro entre Netanyahu e Gantz, os dois rivais decidiram formar em abril um governo de "unidade e urgência" para enfrentar a pandemia de covid-19, encerrando a crise política de maior duração da história do país.

O acordo incluía um rodízio no posto de primeiro-ministro e estipulava que o governo adotaria um único orçamento para dois anos (2020 e 2021), mas o partido Likud, de Netanyahu, propôs a votação de dois orçamentos diferentes, o que foi recusado pelo partido centrista Azul e Branco, de Gantz.

Este ponto virou o calcanhar de Aquiles da coalizão e também, segundo a imprensa israelense, o estopim das tensões entre Netanyahu e Gantz.

De acordo com analistas, a crise do orçamento foi a maneira que Netanyahu encontrou para provocar novas eleições e evitar ceder o poder a Gantz em novembro de 2021. Ou talvez fosse uma forma para conseguir margem de manobra e voltar a negociar o acordo de coalizão, de modo a obter mais poderes para seu partido.

Há uma lei segundo a qual o Knesset deve ser dissolvido na falta de um acordo orçamentário.

A perspectiva de novas eleições acontece em plena crise de saúde e no momento em que Israel acaba de iniciar a campanha de vacinação contra a covid-19. O país tem balanço de 380.000 casos e mais de 3.100 mortes. Também coincide com a batalha judicial de Netanyahu, acusado de corrupção, fraude e abuso de confiança em três casos.

Além disso, Netanyahu deve enfrentar uma concorrência maior no próximo pleito. Gideon Saar, ex-ministro da Educação e do Interior, anunciou a criação de um partido, Tikva Hadasha (Nova Esperança), também de direita, e que aparece na segunda posição nas pesquisas de intenção de voto.

O Likud lidera as pesquisas, mas a criação do novo partido e o avanço da legenda de extrema direita Yamina, de outro ex-ministro, Naftali Bennett, retirariam votos de Netanyahu e poderiam complicar o jogo das alianças pós-eleitorais. Enquanto isso, o ex-comandante do Exército Benny Gantz viu a redução de seu apoio e a fragmentação de seu partido.

JPS/afp/rt/ots