Para 56% dos brasileiros, Bolsonaro é incapaz de liderar o país, mostra Datafolha | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 17.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Para 56% dos brasileiros, Bolsonaro é incapaz de liderar o país, mostra Datafolha

Pesquisa aponta ainda que 46% dos entrevistados são a favor do impeachment do presidente e 47% acreditam que ele deveria renunciar.

À direita da foto, Bolsonaro morde os lábios. À esquerda, desfocada, a bandeira do Brasil.

Em janeiro, 50% dos entrevistados haviam dito que Bolsonaro não tinha condição de liderar o país

Pesquisa do Instituto Datafolha divulgada nesta quarta-feira (17/03) mostra que 56% dos brasileiros consideram o presidente Jair Bolsonaro incapaz de comandar o Brasil. O número cresceu em comparação com o levantamento anterior, realizado em janeiro, quando 50% dos entrevistados haviam dito que Bolsonaro não tinha condição de liderar o país. 

Já o total de brasileiros que consideram Bolsonaro capaz caiu de 46% em janeiro para 42% em março.

Segundo o Datafolha, os números das avaliações positiva e negativa praticamente se inverteram desde abril de 2020, quando o Brasil ainda vivia o início da pandemia de covid-19. Em abril do ano passado, 52% consideravam o presidente capaz de liderar o país, enquanto 44% o julgavam incapaz. 

Entre os grupos que consideram o presidente mais incapaz estão os moradores da região Nordeste (63%), os que ganham mais de 10 salários mínimos (62%) e os que têm curso superior (62%).

Por outro lado, os moradores das regiões Sul (51%), Norte/Centro-Oeste (49%) e o o grupo dos evangélicos (52%) estão entre os que mais confiam no presidente.

Metade dos brasileiros não quer impeachment

Também segundo o Datafolha, 50% dos brasileiros não querem o impeachment de Bolsonaro e 46% são favoráveis à abertura do processo contra o presidente.

No levantamento anterior, em janeiro, 53% eram contrários à abertura de impeachment e 42% eram favoráveis.

Entre os grupos que mais apoiam o impeachment estão as mulheres (58%), os que ganham entre 5 e 10 salários mínimos (57%), os que recebem de 2 a 5 salários (56%) e os nordestinos (56%).

Por outro lado, a maior parcela contrária à ideia é de moradores da região Sul (59%) e entre os evangélicos (59%).

A pesquisa também revelou que para 50% da população o presidente não deveria renunciar e, para 47%, sim. Em abril do ano passado, 59% eram contra a renúncia e 37% a favor.

A renúncia é defendida por nordestinos (53%), mulheres (52%), negros (55%) e entre pessoas mais ricas e instruídas (51%). Os maiores grupos contra a renúncia do presidente são os evangélicos (59%) e os moradores da região Sul (57%). 

O Datafolha ouviu 2.023 pessoas entre 15 e 16 de março, por telefone. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

Reprovação na gestão da pandemia

Na terça-feira, o Datafolha já havia divulgado que a desaprovação à gestão da pandemia de covid-19 pelo presidente Jair Bolsonaro atingiu o maior nível, com 54% dos brasileiros classificando o desempenho dele como ruim ou péssimo.

A reprovação ao trabalho do presidente aumentou seis pontos percentuais em relação aos 48% registrados no levantamento anterior, realizado em janeiro.

Os dez dias com mais mortes diárias desde o início da epidemia foram todos no mês de março. Apesar disso, cerca de um quinto dos ouvidos pelo Datafolha ainda se disse satisfeito, ou seja, acha que a gestão da crise sanitária por Bolsonaro boa ou ótima, mas o percentual caiu de 26% em janeiro para 22%. O índice daqueles que consideram o desempenho do presidente regular ficou praticamente estável, passando de 25% para 24%.

le (ots)