Papa evita mencionar rohingyas em discurso em Myanmar | Notícias internacionais e análises | DW | 28.11.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Direitos humanos

Papa evita mencionar rohingyas em discurso em Myanmar

Sem citar crise migratória envolvendo minoria muçulmana, pontífice pleiteia por tolerância religiosa e respeito à diversidade em Myanmar. Líder do país, Aung San Suu Kyi, garante empenho em promover direitos humanos.

Em discurso ao lado da líder civil de Myanmar, Aung San Suu Kyi, papa Francisco evita citar diretamente crise da minoria muçulmana

Em discurso ao lado da líder civil de Myanmar, Aung San Suu Kyi, papa Francisco evita citar diretamente crise da minoria muçulmana

Em seu discurso em Naypyitaw, capital de Myanmar, nesta terça-feira (28/11), o papa Francisco lembrou que o país sofre com conflitos civis e hostilidades, mas não mencionou os rohingya nem a crise migratória envolvendo a minoria muçulmana. Esquivando-se de condenar diretamente a repressão aos rohingya, ele pleiteou por tolerância religiosa e respeito à diversidade, na presença da líder do país, Aung San Suu Kyi, com quem teve um encontro a portas fechadas.

"O árduo processo de construção de paz e reconciliação nacional só pode avançar por meio de um compromisso com a Justiça e o respeito pelos direitos humanos", disse o pontífice. "As diferenças religiosas não precisam ser fonte de divisão e desconfiança, mas sim uma força para unidade, perdão, tolerância e a sábia construção de uma nação."

Leia também: Papa intercede pelos rohingya em Myanmar

O papa Francisco discursou depois de Suu Kyi, portadora do Prêmio Nobel da Paz de 1991, que tem sido condenada pela comunidade mundial defensora dos direitos humanos devido a sua omissão na crise dos rohingya. Em seu discurso, a líder garantiu que seu governo está empenhado em "proteger os direitos, promover a tolerância e garantir a segurança" de todos os cidadãos.

"Compete a nós continuar a tarefa de construir uma nação fundada em leis e instituições, que garantam a cada um, em nossas terras, justiça, liberdade e segurança", disse. A líder de Myanmar tampouco mencionou os rohingya pelo nome, mas observou que a crise no norte do estado de Rakhine está entre "os muitos desafios que nosso governo enfrentou"..

Assistir ao vídeo 00:55

Drone mostra fuga em massa de rohingyas

Predominantemente budista, Myanmar possui pequenas populações cristãs, hindus e muçulmanas – destacando-se a minoria rohingya, que nas últimas semanas vem sendo expulsa do país em grande número, numa repressão militar violenta altamente criticada.

O papa Francisco tem falado repetidamente sobre a situação emergencial da minoria muçulmana, inclusive chamando seus membros de "irmãos e irmãs rohingya". Uma abordagem semelhante em território de Myanmar poderia desencadear tensões diplomáticas, já que para muitos o próprio termo é considerado inaceitável.

Antes da chegada de Francisco, um grupo mais radical de monges budistas advertira que haveria "uma resposta", caso ele falasse abertamente dos rohingya. Líderes católicos em Myanmar também o teriam aconselhado a respeitar os pontos de vista do governo e da maioria da população, que não considera os rohingya como concidadãos. Em vez disso, os chamam de "bengali", implicando que seriam de Bangladesh.

Myanmar Papst Franziskus trift Vertreter der Religionen in Yangon

Em Rangum, Francisco se encontrou com líderes budistas, hindus, muçulmanos, cristãos e judeus

Diálogo interreligioso

Antes do encontro com Suu Kyi, o papa conversou com líderes religiosos em Rangum, a maior cidade de Myanmar. Segundo porta-voz do Vaticano, ele enfatizou a mensagem de "unidade na diversidade" durante uma reunião interreligiosa de 40 minutos com líderes budistas, hindus, muçulmanos, cristãos e judeus do país. O pontífice pediu, ainda, que trabalhem juntos na reconstrução do país e que, caso haja desavenças, se reconciliem rapidamente, como irmãos.

Francisco também se encontrou separadamente com o líder budista Sitagu Sayadaw num "esforço para encorajar a paz e a coexistência fraterna como único caminho a seguir". Sitagu foi criticado por insultos étnicos contra os muçulmanos.

Na segunda-feira, o pontífice de 80 anos recebeu uma "visita de cortesia" do chefe do Exército de Myanmar, Min Aung Hlaing, cujas tropas foram acusadas de executar faxina étnica e outros crimes contra a população rohingya. O general nega as alegações.

A visita de quatro dias de Francisco a Myanmar foi planejada antes do recente aumento da violência, que começou em agosto, quando ataques de militantes rohingya contra postos policiais desencadearam uma ofensiva militar no norte do estado de Rakhine.

O papa segue para Bangladesh na quinta-feira.

PV/ap/dpa/afp/rtr

___________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados