Papa celebra mártires cristãos em Uganda | Notícias internacionais e análises | DW | 28.11.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Papa celebra mártires cristãos em Uganda

Francisco realiza missa em santuário católico e faz homenagem a 45 mártires assassinados no país entre 1885 e 1887. Ativistas de direitos LGBT esperavam que pontífice condenasse repressão de minorias.

Em Uganda, o papa Francisco pediu neste sábado (28/11) para que fiéis sigam o exemplo de 45 mártires católicos e anglicanos que foram mortos entre 1885 e 1887 sob as ordens do rei Mwanga Buganda II, que era contra a difusão do cristianismo. Mais de 100 mil pessoas participaram da missa celebrada em um santuário católico próximo da capital, Kampala.

Vinte cinco anglicanos e 22 católicos foram mortos durante as perseguições, sendo que a maioria morreu na fogueira. "Eles fizeram isso em tempos perigosos", afirmou o papa durante a missa.

"Não foram só as suas vidas que foram ameaçadas, mas também a vida dos meninos mais jovens que estavam sob seus cuidados." Muitos mártires morreram, inclusive, para proteger a vida de rapazes de abusos por parte do rei.

Atualmente, 40% da população é formada por católicos e 30% de anglicanos. Igrejas também administram muitas escolas e hospitais em todo o país.

Direitos dos homossexuais

Os ativistas gays de Uganda tinham a expectativa que o pontífice falasse sobre os direitos LGBT e condenasse as leis repressivas contra as minorias sexuais em Uganda, apesar de a igreja católica desaprovar a homossexualidade.

O país é visto como um bastião de sentimento anti-gay desde 2013, quando tentou endurecer penas, com alguns legisladores pressionando para a pena de morte ou prisão perpétua por algumas ações que envolvem a homossexualidade.

O ativista Frank Mugisha afirmou que, caso o papa não aborde o assunto em sua visita, Francisco perderá uma oportunidade de proteger as pessoas LGBT. O Vaticano, porém, se recusou a afirmar se o papa pretende falar abertamente sobre os direitos dos homossexuais.

FC/rtr/dpa/ap/afp

Leia mais