Pandemia agravou crise humanitária global, diz ONU | Notícias internacionais e análises | DW | 01.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Pandemia agravou crise humanitária global, diz ONU

Relatório prevê que 235 milhões de pessoas precisarão de assistência humanitária em 2021, após covid-19 causar "carnificina" nos países mais vulneráveis. Em várias regiões, cresce o risco de fome extrema.

Crianças e adolescentes ao lado de um avião da ONU no Sudão do Sul

"Pandemia gerou uma carnificina nos países mais frágeis e vulneráveis", diz chefe da agência humanitária da ONU

A agência humanitária da ONU alertou nessa terça-feira (01/12) que o número de pessoas que necessitarão de auxílio em 2021 deve chegar a 235 milhões, após o aumento sem precedentes dos pedidos de ajuda e assistência humanitária neste ano, em razão da pandemia de covid-19.

O Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha, na sigla em inglês) calcula um aumento de 40% no número de pessoas que necessitarão de assistência no próximo ano, em comparação com 2020.

Segundo o relatório anual Panorama Global Humanitário, uma em cada 33 pessoas precisará de ajuda em 2021. O aumento não se deve apenas ao coronavírus, mas também a vários desafios globais, como conflitos, migração forçada e os impactos do aquecimento global.

A entidade afirma que, para que o auxílio possa atingir 160 milhões de pessoas em 56 países, serão necessários 35 bilhões de dólares (cerca de R$ 183 bilhões). Esse montante corresponde a mais do que o dobro do valor recorde de 17 bilhões de dólares arrecadado para a ajuda humanitária internacional em 2020, além de ser considerado uma meta improvável de ser atingida.

"O quadro que vemos neste ano traz a perspectiva mais sombria e desoladora que já definimos até agora. Isso ocorre porque a pandemia gerou uma carnificina nos países mais frágeis e vulneráveis", afirmou o secretário-geral do Ocha, Mark Lowcock. "O aumento se dá quase que totalmente em razão da covid-19", ressaltou.

Retorno da fome extrema

Pela primeira vez desde os anos 1990 a pobreza extrema deve aumentar, em meio à queda da perspectiva de vida. Além disso, o total de mortes por ano em consequência da aids, tuberculose e malária pode dobrar.

Segundo Lowcock, "possivelmente o mais alarmante é a ameaça do retorno da fome extrema, potencialmente em múltiplas regiões". Com apenas uma situação semelhtante registrada no século 21, ocorrida na Somália, ele afirma que a inanição em massa, que parecia ter sido "varrida para a lata de lixo da história", poderá voltar a ocorrer.

Países como o Iêmen, Burkina Faso e Sudão do Sul, além do nordeste da Nigéria, já estão à beira da fome extrema, enquanto outras nações como o Afeganistão e a região do Sahel são consideradas como "potencialmente bastante vulneráveis", segundo o chefe do Ocha.

"Se atravessarmos 2021 sem grandes ocorrências de fome extrema, já será uma grande conquista", avalia Lowcock. Segundo o relatório, até o final de 2020 o número de pessoas em todo o mundo em risco agudo de falta de alimentos poderá chegar a 270 milhões, o que representaria um aumento de 82% em relação ao período pré-pandemia.

A Síria e o Iêmen encabeçam a lista de países com maior carência de ajuda humanitária. A ONU almeja levantar quase 6 bilhões de dólares para assistência a cidadãos sírios dentro e fora do país, abalado por quase uma década de conflitos.

Além disso, outros 3,5 bilhões serão necessários para o auxílio de quase 20 milhões de iemenitas, no país que atravessa uma das crises humanitárias mais graves de todo o mundo.

RC/afp/ap

Leia mais