Palma de Ouro para comédia sueca surpreende Cannes | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 28.05.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

70º Festival de Cannes

Palma de Ouro para comédia sueca surpreende Cannes

Diretor Ruben Östlund quis denunciar em "The Square" as covardias e becos morais dos ricos mimados, na confrontação com refugiados e sem-teto. Sofia Coppola e Nicole Kidman entre premiados da 70ª edição do festival.

Assistir ao vídeo 02:46
Ao vivo agora
02:46 min

Como é feita a Palma de Ouro de Cannes

A escolha do filme The Square  (O quadrado), do sueco Ruben Östlund, para a premiação com a Palma de Ouro causou surpresa neste domingo (28/05) em Cannes. É raro, na história desse festival internacional, uma comédia arrebatar o troféu máximo. Neste caso, trata-se de uma sátira corrosiva e inteligente, que tem na mira o mundo da arte e a alta sociedade.

O ator dinamarquês Claes Bang encarna o diretor de museu de arte contemporânea que prepara uma exposição sobre a tolerância e a solidariedade. O título do filme alude à instalação central, na qual todos são convidados a serem bondosos e generosos.

Palma altamente cobiçada no mundo do cinema é cravejada de diamantes

Palma altamente cobiçada no mundo do cinema é cravejada de diamantes

No entanto, o mundo do especialista em arte vira de cabeça para baixo quando seu celular e carteira são roubados ao ele tentar socorrer uma mulher – cujo aparente perigo não passava de um subterfúgio dos ladrões.

Östlund, que alcançou considerável projeção internacional com Força maior, em 2014, quis, com essa comédia, explorar os dilemas morais e denunciar com sarcasmo as pequenas e grandes covardias dos ricos mimados diante de migrantes, refugiados e sem-teto.

O cineasta recebeu o prêmio máximo do festival internacional na Côte d'Azur das mãos do presidente do júri, Pedro Almodóvar, e da atriz francesa Juliette Binoche. Essa é a terceira Palma de Ouro que vai para a Suécia, depois de Pelle, o Conquistador, em 1988, e As melhores intenções, em 1992, ambos do diretor Bille August.

Nicole Kidman, "rainha" da 70ª edição

Outra escolha inesperada do Festival de Cannes 2017, devido à recepção morna de O estranho que nós amamos, foi a escolha de Sofia Coppola como melhor direção.

Cineasta turco-alemão Fatih Akin, tendo ao fundo Diane Kruger, prêmio de melhor atriz

Cineasta turco-alemão Fatih Akin, tendo ao fundo Diane Kruger, prêmio de melhor atriz

Trata-se de uma refilmagem do drama homônimo de Don Siegel, de 1971, que narra os efeitos da súbita aparição de um soldado ferido num pensionato feminino, durante a Guerra da Secessão nos Estados Unidos.

Colin Farrell assume o papel principal originalmente interpretado por Clint Eastwood. Nicole Kidman, a quem coube o prêmio especial "70º aniversário do Festival de Cannes" também estrela na produção.

Outros laureados foram:
Grand Prix: 120 beats per minute, de Robin Campillo, sobre a indiferença diante da aids;
Prêmio do Júri: drama conjugal Loveless, de Andrey Zviaguintsev;
Palma de Ouro de curta-metragem: Xiao cheng er yue (Uma noite doce), de Yang Qiu;
Melhor interpretação masculina: Joaquin Phoenix (You were never really here, drama de vingança escolhido como Melhor roteiro);
Melhor interpretação feminina para a alemã Diane Kruger (Aus dem nichts, do turco-alemão Fatih Akin).

AV/afp,ap

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados