Palestinos condenam representação brasileira em Jerusalém | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 01.04.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Palestinos condenam representação brasileira em Jerusalém

Autoridade Palestina convoca seu embaixador no Brasil para consultas e acusa "flagrante violação", pelo governo brasileiro, da legitimidade internacional e "agressão" ao povo palestino e seus direitos.

Jair Bolsonaro e Benjamin Netanyahu

Visita de Bolsonaro ocorre em momento difícil para o premiê Benjamin Netanyahu

A Autoridade Palestina convocou seu embaixador no Brasil para consultas após a decisão do governo brasileiro de abrir uma representação comercial em Jerusalém. O Ministério das Relações Exteriores da Autoridade Palestina afirmou neste domingo (31/03) que adotou a medida "a fim de tomar as decisões apropriadas para enfrentar tal situação", que condenou "nos termos mais fortes".

O ministério considerou a decisão uma "flagrante violação da legitimidade internacional e suas resoluções; uma agressão direta ao nosso povo e a seus direitos e uma resposta afirmativa para a pressão israelense-americana que visa reforçar a ocupação e a construção de assentamentos na área ocupada em Jerusalém".

Receba as análises e notícias da DW no WhatsApp

Após a reação de descontentamento dos palestinos, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que "é direito deles reclamar". "A gente não quer ofender ninguém. Agora, queremos que respeitem a nossa autonomia", disse ele em Israel nesta segunda-feira.

A abertura da representação brasileira em Jerusalém surgiu como uma solução para a controvérsia gerada por Bolsonaro, que durante a campanha eleitoral prometeu transferir a embaixada brasileira para a cidade disputada por palestinos e israelenses como sua legítima capital.

A atitude, que seguia medida semelhante adotada pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, gerou atritos diplomáticos com os países árabes. Após resistência do setor militar do governo e de ruralistas, que temiam dificuldades nas relações comerciais e diplomáticas com esses países, o governo acabou revendo sua posição.

Em meio ao impasse em Brasília, o governo israelense acenou que aceitaria que o Brasil cancelasse os planos de transferir sua embaixada e que se contentaria com a abertura de uma representação comercial.

Com a abertura do escritório, o Brasil segue o exemplo recente da Hungria, que há pouco mais de dez dias inaugurou uma representação comercial em Jerusalém. Apenas dois países mantêm embaixadas em Jerusalém: Estados Unidos e Guatemala.

Bolsonaro, no entanto, negou nesta segunda que sua intenção de mudar a embaixada tenha sido totalmente descartada. "Tenho compromisso, mas meu mandato vai até 2022. Tem que fazer as coisas devagar, com calma, sem problemas", disse ele.

Nesta segunda-feira, o movimento radical palestino Hamas também condenou a decisão brasileira de abrir um escritório em Jerusalém, bem como a viagem de Bolsonaro a Israel.

Em nota, o grupo afirma que a visita viola leis internacionais e vai de encontro à postura histórica do Brasil de apoio à causa palestina. O Hamas pede ainda que a Liga Árabe faça pressão sobre o governo brasileiro para que o país reverta suas políticas para a região.

Segundo o jornal Jerusalem Post, a Autoridade Palestina abriu consulta junto aos países árabes para determinar uma posição árabe unificada em relação à decisão brasileira.

Embaixadores de países árabes no Brasil já teriam feito um pedido formal de reunião com Bolsonaro e o ministro brasileiro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, assim que eles voltarem de Israel.

A visita de Bolsonaro também ocorre num momento difícil para o premiê israelense, Benjamin Netanyahu. Em poucos dias, o país vai passar por eleições legislativas. Netanyahu vem fazendo esforços para se projetar para os eleitores como uma liderança mundial, o que faz com que parte da imprensa israelense encare a visita de Bolsonaro como um ato de campanha.

No início da semana, o premiê fez uma visita relâmpago aos EUA e foi recebido pelo presidente Donald Trump. Os encontros têm sido usados por Netanyahu para apresentar uma agenda positiva enquanto cresce a expectativa de que ele seja alvo de uma denúncia criminal por suspeita de corrupção.

Nos próximos dias da visita, Bolsonaro terá reuniões com empresários, representantes políticos e membros da comunidade brasileira em Israel. Ele já visitou alguns dos lugares santos de Jerusalém, como o Santo Sepulcro, o templo mais sagrado do cristianismo, e o Muro das Lamentações, local de culto mais sagrado para os judeus.

Estes dois últimos locais ficam na parte ocupada de Jerusalém, o que gerou protestos da Organização para a Libertação da Palestina (OLP). Netanyahu acompanhou Bolsonaro na visita ao muro, algo que raramente ocorre durante viagens de líderes estrangeiros, que preferem evitar a companhia de membros do governo israelense numa área tão sensível para evitar problemas diplomáticos com países árabes.

RC/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais