Países europeus expulsam diplomatas da Rússia | Notícias internacionais e análises | DW | 08.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Países europeus expulsam diplomatas da Rússia

Decisão tomada por Alemanha, Polônia e Suécia é resposta a medida semelhante adotada por Moscou. Governo russo classifica reação ocidental como "infundada e hostil".

Fachada da embaixada da Rússia em Berlim

Embaixada da Rússia em Berlim

A Alemanha, a Polônia e a Suécia anunciaram nesta segunda-feira (08/02) a expulsão de diplomatas russos em retaliação coordenada à decisão russa de expulsar três diplomatas europeus, acusando-os de participar em manifestações "não autorizadas" em apoio ao crítico do Kremlin Alexei Navalny.

Os três países da União Europeia (UE) decidiram expulsar um diplomata russo cada um, numa decisão que a Rússia classificou como uma intromissão em assuntos internos. A disputa diplomática ocorre num momento de tensão entre Moscou e Bruxelas, agravado pelo prisão de Navalny.

Em comunicado, o Ministério do Exterior da Alemanha lamentou a expulsão do diplomata alemão pela Rússia na semana passada e afirmou que ele estava apenas "cumprindo a tarefa de reportar a evolução dos acontecimentos por meios legais".

A Suécia ecoou a postura alemã e chamou as expulsões de "inaceitáveis".

O Ministério do Exterior da Polônia, por sua vez, afirmou que um funcionário do consulado geral da Rússia em Poznan foi reconhecido como persona non grata "de acordo com o princípio de reciprocidade e em coordenação com a Alemanha e a Suécia".

Moscou condenou a reação dos países europeus. "A decisão adotada pela Polônia, Alemanha e Suécia é infundada e hostil", declarou Maria Zakharova, porta-voz do Ministério do Exterior russo, denunciando o que chamou de "ingerência" ocidental nos assuntos internos da Rússia. 

Disputa diplomática

Assistir ao vídeo 05:59

Navalny é uma ameaça para Putin?

As expulsões ocorrem num momento em que os 27 países-membros da UE refletem sobre o futuro das conturbadas relações com a Rússia, em meio à crescente preocupação com a visão russa sobre democracia.

Na sexta-feira, a Rússia decidiu expulsar três diplomatas da Alemanha, Suécia e Polônia, após alegar que eles participaram de protestos em apoio a Navalny. O ministro russo do Exterior, Serguei Lavrov, declarou que tais ações eram "inaceitáveis" e não correspondiam "ao status diplomático".

O anúncio foi feito após um encontro em Moscou entre Lavrov e o alto representante para Assuntos Externos da União Europeia, Josep Borrell.

Devido ao tratamento a Navalny, as relações entre Moscou e a UE teriam chegado a um ponto crítico, sentenciou Borrell. Em contrapartida, Lavrov classificou o bloco europeu como um "parceiro não confiável".

Após o anúncio de Moscou, os países de origem dos diplomatas condenaram a atitude de Moscou e prometeram uma retaliação à altura.

Apoio popular e internacional a Navalny

As relações entre a Rússia e a União Europeia estão mais tensas desde que Navalny foi detido no Aeroporto Sheremetyevo, em Moscou, em 17 de janeiro.

O ativista de 44 anos retornava a seu país após cinco meses se recuperando na Alemanha de uma tentativa de envenenamento com o agente nervoso Novichok, que ele atribui ao Kremlin e ao serviço secreto. Autoridades russas, inclusive o próprio presidente Vladimir Putin, têm negado envolvimento no atentado.

Na terça-feira passada, o oposicionista foi julgado em Moscou por suposta violação dos termos de sua liberdade condicional, num processo considerado meramente político por muitos, sendo condenado a cumprir no cárcere os restantes dois anos e meio da sentença.

Manifestações em massa exigindo a libertação de Navalny e a renúncia de Putin varreram o país nos últimos fins de semana. Milhares de participantes dos protestos foram detidos pela polícia. Na quinta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, exigiu que a Rússia liberte o ativista, sugerindo eventuais sanções caso isso não ocorra.

cn/ek (Reuters, Lusa, AP)

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados