1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Uma grande mesa circular recebe os ministros de Defesa dos países-membro da Otan, em Bruxelas, na Bélgica. No salão, há também duas telas e uma grande luminária central.
Ministros de Defesa de países-membros da Otan debatem conflito em BruxelasFoto: Olivier Matthys/AP/picture alliance
ConflitosEuropa

Otan acusa Rússia de enviar mais tropas em direção à Ucrânia

16 de fevereiro de 2022

Anúncio de retirada gradual de militares russos das fronteiras ucranianas, feito pelo Ministério da Defesa da Rússia, é rebatido pela Otan, que registra o envio de ainda mais soldados e armamentos à região.

https://www.dw.com/pt-br/otan-acusa-r%C3%BAssia-de-enviar-mais-tropas-a-fronteira-com-ucr%C3%A2nia/a-60803238

A afirmação de que parte das tropas russas começaram a deixar as fronteiras com a Ucrânia pode, no fim das contas, ser um blefe do governo de Vladimir Putin. Segundo a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), a Rússia, na realidade, enviou ainda mais soldados e armamentos para a região.

Nesta quarta-feira (16/02), início de dois dias de conversas entre os ministros de Defesa de países que compõem a Otan, o secretário-geral da organização, Jens Stoltenberg, mostrou-se nada convencido da retirada de tropas russas.

"Não vimos nenhuma retirada de forças russas, e isso contradiz as mensagens de todos os esforços diplomáticos. O que vimos é que os russos aumentaram o número de tropas a caminho. Então, até agora, não há nenhuma desescalada. Se eles começarem a retirar as tropas, será algo muito bem-vindo, mas isso permanece a ser confirmado", declarou Stoltenberg, ao chegar para o encontro em Bruxelas.

Os Estados Unidos e seus aliados exigem provas da suposta retirada de forças russas. Segundo o presidente americano, Joe Biden, a Rússia já teria enviado pelo menos 150 mil soldados às fronteiras com a Ucrânia e Belarus.

O governo da Ucrânia também se pronunciou com extremo ceticismo sobre um alegado recuo das tropas russas. O presidente ucraniano, Volodimir Zelenski, observou que todos, e não somente aos exércitos e serviços de reconhecimento, perceberão quando as tropas russas de fato deixarem as regiões fronteiriças com a Ucrânia.

"Honestamente, reagimos conforme a realidade, e não observamos nenhuma retirada ainda. Apenas ouvimos falar disso. Até agora, são apenas pronunciamentos", disse Zelenski, em entrevista à rede britânica BBC.

Nesta terça-feira, o ministério da Defesa da Rússia anunciou a retirada parcial de tropas posicionadas nas fronteiras com a Ucrânia. A movimentação teria afetado tropas destacadas para o sul e oeste do país, rumo às bases permanentes. Porém a pasta não especificou onde elas estão estacionadas, nem o número dos soldados envolvidos.

Stoltenberg, no entanto, advertiu que os russos têm reposicionado equipamentos militares e tropas com frequência durante a escalada que começou em dezembro: "O movimento de forças, de tanques de batalha, não confirma uma real retirada", declarou o secretário-geral da Otan. Segundo analistas, a ameaça de invasão russa também visa evitar que a Ucrânia passe a integrar a Otan, já que países em conflito não podem se filiar a ela.

O gráfico mostra a movimentação das tropas russas nas regiões de fronteira com a Ucrânia, ou seja, no norte, leste e sul do país.

Ceticismo ocidental e novas decisões

Na chegada ao encontro de líderes de Defesa de países-membros da Otan, em Bruxelas, a ministra da Defesa do Canadá, Anita Anand, declarou que "o aumento de tropas russas na fronteira ucraniana é crescente e significativo, e exige que sigamos trabalhando juntos, como uma aliança".

O secretário de Defesa britânico, Ben Wallace, acrescentou que "é cedo demais para dizer" se o recuo russo é mesmo real: "Acho que não vimos evidências da retirada divulgada pelo Kremlin. Na verdade, temos visto o acúmulo contínuo de coisas como hospitais de campanha e sistemas de armas estratégicos. Até que vejamos uma desescalada adequada, devemos ser cautelosos", comentou ao canal de TV Sky News.

A Otan poderá tomar novas decisões sobre a movimentação russa nas fronteiras com a Ucrânia já nesta quarta-feira, durante a cúpula na Bélgica. É possível, por exemplo, que os aliados se comprometam a enviar mais tropas e equipamentos a membros da Otan localizados no Leste Europeu. Isso envolveria mais 4 mil soldados em países como Romênia, Bulgária, Hungria e Eslováquia.

O debate também pode envolver o uso de armas nucleares, devido ao acúmulo desse tipo de armamento por parte da Rússia, mas as discussões seriam altamente confidenciais.

Dois tanques blindados, com galhos sobre o teto do veículo, trafegando em uma região montanhosa e com neve durante exercício militar conjunto entre Belarus e Rússia.
Treinamento conjunto entre Rússia e Belarus começou em 10 de fevereiro e está previsto para se estender até domingoFoto: BelTA/AP/dpa/picture alliance

Belarus e ironia russa

Em meio a uma série de exercícios militares conjuntos na fronteira com a Rússia, o ministro do Exterior de Belarus, Vladimir Makei, assegurou que todas as tropas russas deslocadas para a região retornarão a suas bases no domingo, data prevista para o encerramento do treinamento militar entre os dois países, iniciado em 10 de fevereiro.

A Rússia nega qualquer intenção de invadir a Ucrânia e tem respondido aos apelos e informações divulgadas pelo Ocidente com palavras como "paranoia" e "loucura".

Questionado pelo jornal alemão Die Welt se a Rússia ia atacar a Ucrânia nesta quarta-feira, o embaixador russo na União Europeia, Vladimir Chizhov, respondeu com ironia: "Guerras raramente começam às quartas-feiras na Europa", para depois complementar: "Não haverá escalada no conflito nas próximas semanas também, nem no próximo mês."

O porta-voz do governo russo, Dmitry Peskov, também foi irônico ao ser questionado sobre um hipotético ataque russo à Ucrânia, dizendo que os oficiais do país tiveram uma boa noite de sono.

No chamado Dia da Unidade Nacional, o presidente ucraniano Volodimir Zelenski está com uma jaqueta de inverno verde, e calças também verdes, em tons militares, com a mão direita no peito, enquanto canta o hino da Ucrânia.
Presidente Volodimir Zelenski, convocou ucranianos a permanecerem unidos perante a criseFoto: Ukrainian Presidential Press Office/AP/picture alliance

Presidente ucraniano prega união

Nesta quarta-feira, o Ministério da Defesa da Rússia divulgou um vídeo que mostra um trem carregado de veículos blindados atravessando uma ponte na região da Crimeia, península ucraniana no Mar Negro que foi anexada pela Rússia em 2014.

Encurralados entre a Rússia e o Ocidente, líderes ucranianos têm repetidamente pedido para a população manter a calma e reforçado a necessidade de manter-se forte durante a crise.

presidente Volodimir Zelenski declarou esta quarta-feira como "Dia da Unidade Nacional". Para marcar a data, manifestantes estenderam, numa arena esportiva da capital Kiev, uma bandeira nacional ucraniana de 200 metros.

Num vídeo endereçado à nação, Zelenski disse que a Ucrânia está unida por "um desejo de viver em paz": Só podemos defender nossa casa se permanecermos unidos."

Ucrânia no cabo de guerra Rússia-Ocidente

A crise no Leste Europeu começou em dezembro, quando a Rússia iniciou o envio de tropas para as fronteiras com a Ucrânia. O Ocidente acusa os russos de manterem em torno de 150 mil soldados e vasto arsenal militar na região.

Os russos, por outro lado, afirmam não planejar uma nova incursão, oito anos depois de terem invadido e ocupado a Crimeia, região peninsular disputada entre os dois países até hoje.

Fundada em 1949 em Bruxelas, na Bélgica, a Otan é uma aliança intergovernamental comandada pelos Estados Unidos e composta por 30 países, a maioria europeus. A principal prerrogativa do grupo é defender os territórios parceiros em caso de agressões militares por terceiros. Apesar de prolongadas negociações e promessas, a Ucrânia não faz parte da organização.

A fim de evitar uma expansão da Otan para perto de seu território, a Rússia tenta impedir o ingresso da Kiev na entidade, buscando afastar as forças militares do Ocidente, presentes em países que faziam parte da União Soviética, dissolvida em 1991.

gb/av (Reuters, AP, ots)