Opinião: Vencedores e perdedores da eleição em Israel | Notícias internacionais e análises | DW | 10.04.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Opinião

Opinião: Vencedores e perdedores da eleição em Israel

Bloco nacionalista de direita e sua política de ocupação são os grandes vencedores deste pleito. Para os palestinos, o resultado é trágico, afirma o analista Rainer Sollich.

Benjamin Netanyahu festeja resultado das urnas

Benjamin Netanyahu festeja o resultado das urnas em Israel

Ao que tudo indica, o futuro chefe de governo de Israel vai se chamar, de novo, Benjamin Netanyahu. A margem é estreita, mas uma maioria de israelenses se decidiu a favor da coalizão de forças nacionalistas e ultraconservadoras favorecida por ele.

"Bibi" foi ajudado sobretudo pelos presentes de campanha dados a ele pelo presidente dos EUA, Donald Trump: a transferência da embaixada americana para Jerusalém, a "capital indivisível" de Israel, e o reconhecimento das Colinas de Golã, anexadas em 1981, como território de Israel, apesar de elas pertencerem à Síria, segundo o direito internacional.

O próximo passo de Netanyahu poderá ser anexar os territórios ocupados por Israel na Cisjordânia, se Trump assim o permitir. Netanyahu já anunciou que quer dar esse passo. Em Israel, ele não precisa temer grande resistência, pois as urnas mostraram de forma clara que, diante das ameaças sérias existentes na região – vindas principalmente do Irã e da Faixa de Gaza –, os cidadãos de Israel optam por segurança, e não por negociações ou diálogo. As poucas forças que ainda acreditam num acordo justo com os palestinos não desempenham mais nenhum papel na política de Israel.

O bloco nacionalista de direita pode se considerar vencedor mesmo se Netanyahu, nas próximas semanas, levar uma rasteira política do inquérito anticorrupção do qual é alvo. Pode ser que ele já esteja mesmo na lona, como alguns analistas afirmam, mas uma coisa é certa: nem o maior rival de Neyanyahu nesta eleição, o ex-chefe do Estado Maior Benny Gantz, nem outros políticos de ponta de Israel poderiam adotar um rumo totalmente diferente em relação aos palestinos ou vizinhos árabes ou até mesmo ousar devolver os presentes de campanha de Trump. Não há maioria para isso em Israel.

Mesmo assim, a democracia israelense é uma das grandes vencedoras desta eleição. Por mais assustadoras que sejam a fragmentação político-partidária e os inúmeros conflitos internos da sociedade israelense que essa fragmentação reflete, é dever constatar que Israel é – talvez com exceção da Tunísia – a única democracia na região cujos resultados eleitorais não estão sob suspeita.

Se Netanyahu vier a ser chefe de governo pela quinta vez, ele ocupará o cargo por uma vez a mais do que o até pouco tempo atrás eterno todo-poderoso da Argélia, Abdelaziz Bouteflika, que renunciou após forte pressão. Mas, ao contrário dos países vizinhos, em Israel foi mesmo o povo que assim decidiu.

Mas esta eleição tem também grandes perdedores, em especial os palestinos e os árabes que vivem em Israel, dos quais muitos também se veem como palestinos. Para ambos, o resultado é trágico.

Os árabes que vivem em Israel têm direito irrestrito de voto, mas praticamente não fizeram uso dele desta vez porque uma lei defendida por Netanyahu os rebaixou a cidadãos de segunda categoria, na condição de minoria não judia. A lei é e continuará sendo um escândalo, mas é pouco provável que ela seja revogada ou pelo menos abrandada num curto espaço de tempo – muito menos se o premiê for Netanyahu.

Os palestinos que vivem na Faixa de Gaza e na Cisjordânia são perdedores ainda maiores. Trump anunciara que, logo depois da eleição em Israel, iria expor seus planos para uma ampla paz no Oriente Médio. Resta esperar para ver como eles serão e quais concessões serão exigidas de Israel, mas uma coisa já se sabe: os palestinos só terão a opção de pegar o que lhes for oferecido. Ao contrário dos israelenses, eles praticamente não podem decidir sobre o próprio destino, e não há muito apoio a ser esperado dos países árabes vizinhos.

Por décadas, esses regimes usaram a questão palestina como carta populista para legitimar o próprio domínio com uma "irmandade" pan-árabe ou pan-islâmica. É o que a Turquia e o Irã fazem até hoje. Na verdade, porém, o destino dos palestinos pouco interessa à maioria dos regimes árabes e muito menos à potência regional Arábia Saudita. Esta têm um novo inimigo, que é o mesmo de Netanyahu: o Irã.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais