Opinião: Humildade alemã na memória de Auschwitz | Notícias internacionais e análises | DW | 23.01.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Opinião

Opinião: Humildade alemã na memória de Auschwitz

Na cerimônia dos 75 anos da libertação de Auschwitz, presidente alemão fala em Israel sobre a culpa e a responsabilidade de seu país. Para o jornalista Marcel Fürstenau, Steinmeier encontrou as palavras certas.

Presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, expressou sua vergonha no Memorial do Holocausto Yad Vashem

Presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, expressou sua vergonha no Memorial do Holocausto Yad Vashem

"Que bênção, que presente eu poder falar para os senhores aqui no Yad Vashem hoje", disse o presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, no início de seu discurso no Fórum Mundial do Holocausto.

E, realmente, é tudo menos uma obviedade que o chefe de Estado alemão possa falar no local central da memória do Holocausto em Israel. Ele, o mais alto representante do país dos perpetradores. Alguém cuja geração de pais e avós matou planejadamente seis milhões de judeus até 1945.

Passados 75 anos da libertação do campo de extermínio de Auschwitz, Steinmeier agradeceu pela "mão estendida dos sobreviventes". Ele descreveu a "nova confiança" depositada na Alemanha por pessoas em Israel e em todo o mundo como aquilo que de fato é: um "milagre da reconciliação".

Palavras humildes que nunca devem parecer rotineiras ou por obrigação. Steinmeier associa a imortalidade da culpa de Auschwitz à crescente vergonha dos dias de hoje: o surgimento de um novo antissemitismo na Alemanha, que veio à tona não apenas neste ano.

O presidente alemão também poderia ter feito alusão ao antissemitismo em muitos outros países. Mas foi bom que ele não tenha feito isso. Pois acidentalmente poderia soar relativizante. E assim Steinmeier cumpriu de forma especial sua responsabilidade ao nomear, sem piedade, os "espíritos malignos" do antissemitismo cotidiano em seu país.

Ele mencionou enfaticamente a tentativa malsucedida de um terrorista de direita de atacar a sinagoga na cidade de Halle an der Saale no dia do Yom Kippur, principal feriado judaico. O chefe de Estado alemão encontrou as palavras certas: "Não se trata dos mesmos autores. Mas é o mesmo mal."

O Memorial Internacional do Holocausto Yad Vashem é sem dúvida um lugar digno e adequado para Steinmeier relatar sua vergonha. Sentimentos que podem atingi-lo ainda mais fortemente quando ele for ao verdadeiro lugar do maior crime da humanidade. O presidente viaja a Auschwitz na próxima segunda-feira, quando será lembrado o aniversário de libertação do campo de extermínio pelo Exército Vermelho da antiga União Soviética.

O presidente polonês, Andrzej Duda, também estará lá. Ele se ausentou do evento no Yad Vashem porque não estava previsto para discursar, ao contrário de Steinmeier e do presidente russo, Vladimir Putin, entre outros.

A raiva de Duda é tão compreensível quanto lamentável. Porque em Auschwitz, o campo de extermínio construído pela Alemanha nazista no território polonês ocupado, várias centenas de milhares de poloneses morreram – a maioria deles também de fé judaica. Por esse motivo, seria correto e importante deixar Duda falar no Yad Vashem.

O desacordo em torno da supostamente correta cerimônia pela libertação de Auschwitz mostra de uma maneira quase trágica quanto as sombras do passado ainda ou já chegam ao presente. Infelizmente, o notável discurso histórico do presidente alemão no Yad Vashem não pode mudar isso.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais