Opinião: Erdogan apostou mal na questão armamentista – e perdeu | Notícias internacionais e análises | DW | 18.07.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Opinião

Opinião: Erdogan apostou mal na questão armamentista – e perdeu

A Turquia comprou um sistema antimísseis russo ao mesmo tempo em que desejava continuar participando do projeto de caças F-35 com os EUA. Washington disse "não". Foi uma decisão consequente, opina Erkan Arikan.

Avião de combate Lockheed Martin F-35 em pleno voo

Avião de combate Lockheed Martin F-35: pomo da discórdia

Washington tomou uma decisão lógica e consequente: a Turquia passará a estar excluída do programa de jatos de combate F-35. Lógica, pois não é possível um parceiro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) fazer negócios com a Rússia, um antigo inimigo da Guerra Fria – por melhor que seja a relação de confiança que ambos desenvolveram.

Consequente, pois há muito os Estados Unidos vinham advertindo o presidente Recep Tayyip Erdogan para que ele não insistisse na compra do sistema antimísseis russo S-400. Como Ancara não acatou a advertência, os americanos acabaram tomando uma decisão.

A Turquia, que há anos emprega em sua Força Aérea caças americanos do seu parceiro de Otan, precisará agora procurar novos aviões. Os soldados turcos que colaboram com o projeto terão que deixar os EUA em breve. O fato de a Rússia agora oferecer seus caças Su-35 parece, na sequência, antes uma piada atrasada de Moscou.

A Turquia se encontra numa região altamente perigosa, do ponto de vista geopolítico. Tem entre seus vizinhos ao leste o Irã, o Iraque e a Síria. Estava claro que, já antes da guerra civil síria, os turcos precisavam de um sistema antimísseis eficiente. Como parceiros da Otan, estaria a sua disposição o sistema americano Patriot – porém só como empréstimo, e diversas tentativas anteriores de Ancara para adquiri-lo fracassaram.

Em reação, Erdogan tentou comprar um sistema antimísseis da China. As negociações binacionais começaram em 2013, mas foram declaradas fracassadas dois anos mais tarde. Representantes do governo turco alegaram que a pressão dos EUA fora grande demais, forçando Erdogan a ceder e anunciar que seu país pretendia desenvolver um sistema próprio.

Críticas severas partem agora de Ancara: essa decisão teria sido um "erro grave". É claro que o governo turco não está feliz por ter sido excluído do programa F-35. No entanto Erdogan apostou – e perdeu. Sua meta era comprar o sistema antimísseis S-400 da Rússia, e mesmo assim fechar o acordo com os EUA sobre os jatos de combate F-35.

No entanto o governo turco foi forçado a fazer negócios com a Rússia. Durante a presidência de Barack Obama travaram-se as primeiras negociações entre o Ministério turco da Defesa e o Pentágono. Parecia que tudo ia bem. Mas os dois lados não alcançaram um consenso, e por isso Ancara desistiu dos americanos. "Se não der certo com Washington, vamos para Moscou", era o raciocínio. Oposicionistas turcos acusam o governo Erdogan de ter negociado de forma diletante.

A retirada da Turquia do projeto F-35 tem também consequências econômicas. As empresas turcas que forneciam peças para o caça terão agora que procurar outra fonte de renda. Nos meios oposicionistas estima-se que o país contribui para o sistema com quase 900 componentes, num volume de exportação superior a 12 bilhões de dólares. Ao mesmo tempo, aponta-se que a indústria armamentista turca emprega mais de 30 mil funcionários. É questionável se será possível empregar essas pessoas em outros setores.

Paira também a questão se a Turquia decidirá abandonar a Aliança Atlântica. Aqui, a resposta é um decidido "não": a Otan precisa de Ancara, mas o contrário também é verdade. Os turcos dependem dela e de seus parceiros, como explicitou o secretário-geral da aliança, Jens Stoltenberg, durante sua visita ao país, em maio.
Certo é que, caso Ancara não recue, renunciando ao sistema antimísseis russo, então vai ficar sem os aviões de combate F-35. Contudo é difícil imaginar que Erdogan vá ceder, pois os primeiros componentes do S-400 já chegaram à Turquia.

A decisão sobre a exclusão dos turcos do programa F-35 será decidida, o mais tardar, em março de 2020. Porém isso não deverá afetar a relação dos dois parceiros de aliança, como um todo: uma porta-voz de Washington enfatizou que seu país segue prezando as relações estratégicas com a Turquia. Um consolo para Erdogan – mas que não traz nenhum alívio.  

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Leia mais