OPAQ confirma que opositor russo Navalny foi intoxicado por Novichok | Notícias internacionais e análises | DW | 06.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

OPAQ confirma que opositor russo Navalny foi intoxicado por Novichok

Após receber relatório da Organização para Proibição de Armas Químicas, Berlim apela novamente para que Rússia esclareça envenenamento ocorrido no país.

Alexei Navalny

Em entrevista publicada no Youtube, Alexei Navalny reiterou sua acusação contra Putin

O governo alemão apelou mais uma vez nesta terça-feira (06/10) para que a Rússia esclareça o que aconteceu com Alexei Navalny, depois que a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) confirmou que o oposicionista russo foi vítima de envenenamento por um agente neurotóxico do tipo Novichok.

"Os resultados estão de acordo com os já obtidos por laboratórios especializados em Alemanha, Suécia e França. Isso confirma mais uma vez a evidência inequívoca de que Alexei Navalny foi vítima de um ataque com um agente químico neurotóxico do grupo Novichok", disse, em comunicado, o porta-voz do governo alemão, Steffen Seibert.

Seibert acrescentou que o governo alemão recebeu o relatório na segunda-feira e ainda está examinando o texto detalhadamente e que também fará nos próximos dias consultas com a própria OPAQ e com um grupo de parceiros da União Europeia para definir quais medidas tomar. "Qualquer uso de armas químicas é grave e não pode ficar sem consequências", ressaltou.

Em meados de setembro, a OPAQ confirmou que havia enviado uma equipe de especialistas a Berlim para coletar amostras biomédicas de Navalny e anunciou que estava prestando assistência técnica na investigação para a Alemanha, depois que especialistas alemães descobriram que o agente Novichok foi a "fonte de intoxicação" de Navalny.

Em comunicado, o diretor-geral da OPAQ, Fernando Arias, classificou os resultados dos testes "um assunto de grande preocupação''.

Questionado sobre o relatório da organização em uma teleconferência com repórteres, o porta-voz do Kremlin Dmitry Peskov se absteve de comentar, dizendo que o Kremlin precisa ver o relatório para reagir.

Na terça-feira, a Alemanha e seus aliados estiveram numa reunião com o conselho executivo da OPAQ. Também durante o encontro, Berlim instou Moscou a investigar e explicar completamente como Navalny foi envenenado com um agente nervoso de nível militar.

"Cabe à Rússia, onde ocorreu o ataque químico, esclarecer o incidente e fornecer uma explicação sobre como um agente químico neurotóxico pôde ser usado em um ato imprudente contra um cidadão russo em solo russo'', afirmou a representante da Alemanha na organização, Gudrun Lingner, em nota. "Até agora, a Federação Russa não forneceu nenhuma explicação confiável.''

O Reino Unido, que acusou a Rússia de usar um agente do tipo Novichok em um ataque em 2018 contra o ex-agente duplo Sergei Skripal e sua filha na cidade inglesa de Salisbury, apoiou a demanda da Alemanha para obter respostas

O ativista se sentiu mal a bordo de um avião que voltava de Tomsk, na Sibéria, a Moscou no dia 20 de agosto, forçando a aeronave a fazer um pouso de emergência em Omsk, onde o Navalny foi colocado em coma antes de ser transferido para um hospital de Berlim, onde conseguiu se recuperar nas últimas semanas.

Em entrevista ao semanário Der Spiegel na última quinta-feira, Navalny, que já deixou o hospital alemão após receber tratamento por 32 dias, acusou o presidente russo, Vladimir Putin, de ser o responsável por seu envenenamento, acusação considerada pelo Kremlin como "insultuosa e inaceitável".

Nesta terça-feira, ele reiterou sua acusação em uma entrevista transmitida no Youtube, e mais uma vez o Kremlin considerou a declaração inadmissível.

Navalny recebeu durante seu tratamento no hospital berlinense a visita da chanceler federal alemã, Angela Merkel.

MD/ap/efe

Leia mais