ONG acusa Israel de apartheid contra palestinos | Notícias internacionais e análises | DW | 27.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Oriente Médio

ONG acusa Israel de apartheid contra palestinos

Human Rights Watch afirma haver "política abrangente para manter o domínio sobre os palestinos", que seriam alvo de crimes contra a humanidade. Governo de Israel diz que organização tem agenda anti-israelense.

Palestinos protestam diante de soldados israelenses em Hebron, em janeiro de 2021

Palestinos protestam diante de soldados israelenses em Hebron, em janeiro de 2021

A organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW) chamou de apartheid a política do governo de Israel para a população árabe do país e para os palestinos que vivem nos territórios ocupados.

A expressão foi usada num relatório que analisa o modo como Israel trata os palestinos e que foi divulgado nesta terça-feira (27/04) pela organização. O termo costuma ser usado por ONGs israelenses, mas esta é a primeira vez que ele é usado por uma grande ONG internacional.

A HRW justificou o uso da expressão argumentando que existe uma "política abrangente do governo israelense para manter o domínio dos judeus israelenses sobre os palestinos e graves abusos cometidos contra os palestinos que vivem em território ocupado, incluindo Jerusalém Oriental".

O diretor-executivo da HRW, Kenneth Roth, afirmou que as autoridades israelenses "cometem os crimes contra a humanidade do apartheid e da perseguição".

O governo de Israel afirmou que o relatório é um panfleto de propaganda sem qualquer conexão com os fatos e a verdade e que foi escrito por uma organização que tem uma agenda anti-israelense.

A Human Rights Watch argumentou que, embora o termo apartheid tenha sido adotado para a situação existente na África do Sul, ele é hoje um termo jurídico universal, utilizado para a discriminação institucional particularmente grave e opressão.

Sob investigação do TPI

A ONG recomendou que o Tribunal Penal Internacional (TPI) investigue e processe os envolvidos nos crimes denunciados, assim como os países, "de acordo com o princípio da jurisdição universal", e pediu a criação de uma comissão da ONU para investigar a situação dos palestinos.

Algumas semanas atrás, o Tribunal Penal Internacional anunciou a abertura de uma investigação de possíveis crimes cometidos por Israel ou por milícias palestinas desde 2014.

O governo de Israel afirmou, então, que não vai cooperar com o tribunal porque ele não teria legitimidade para abrir um inquérito. Israel argumenta que o TPI não possui jurisdição para investigar em território palestino.

Os territórios abrangidos pela investigação são a Cisjordânia, Jerusalém Oriental e a Faixa de Gaza, e os fatos submetidos a inquérito incluem a Operação Margem Protetora em Gaza em 2014, a Grande Marcha do Regresso de 2018 e a colonização do Estado judaico em território palestino ocupado. 

O tribunal também examina o disparo de foguetes a partir de Gaza e em direção a território israelense pelo movimento palestino Hamas e milícias armadas. 

O TPI, uma jurisdição penal internacional permanente com origem no Estatuto de Roma de 1998, entrou em vigor em 2002, após ser ratificado na ocasião por 60 estados. Israel não integra o tribunal nem aceita sua jurisdição, à semelhança dos Estados Unidos e da China. Por isso é provável que Israel não autorize o ingresso dos membros do tribunal para investigações no país.

as/lf (Lusa, AFP, Reuters)

Leia mais