″Oh amigos, mudemos de tom!″ | Colunas semanais da DW Brasil | DW | 19.03.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coluna Caros Brasileiros

"Oh amigos, mudemos de tom!"

Justamente no momento em que a Europa pretendia lembrar os 250 anos de Beethoven, a Alemanha ficou muda. Em tempos de coronavírus, devemos ser gratos ao compositor por sua música e por ter mostrado o poder do silêncio.

Bonn, a cidade onde Beethoven nasceu

Bonn, a cidade onde Beethoven nasceu, planejou uma série de concertos em sua homenagem em 2020

Caros brasileiros,

vocês se lembram do sentimento de quando voltam de uma viagem, mas a mente ainda não retornou? Quando o corpo desce do ônibus ou do avião, cansado, mas a cabeça ainda está em outro lugar? Muitas vezes, demora para voltar. E enquanto você está presente fisicamente e se inseriu no cotidiano, a sua mente continua viajando.

Assim foi a minha atitude em relação ao coronavírus. Ele também viaja mais rápido que a minha mente. Enquanto eu ainda achava que ele ficaria lá longe, na China, ele já tinha entrado na Europa. Enquanto eu achava que ele estava preso na Itália e não iria atravessar os Alpes, ele já tinha cruzado despercebidamente a fronteira com a Áustria e a Alemanha.

Agora, o vírus parou a Alemanha. O que era normal uma semana atrás, um dia atrás, não vale mais. As coisas e os avisos mudam de hora em hora. O número de infectados sobe exponencialmente. As lojas fecharam, as escolas também, e a vida cultural e musical foi interrompida. Só os passarinhos cantam.

O país ficou mudo. É uma agonia silenciosa que deixa tudo parado. Parece que a Alemanha inteira virou um cemitério e emudece diante do túmulo. Como se não tivesse mais nada para dizer. Não adianta gritar "fora isso, fora aquilo". Só nos resta lamentar a perda de uma vida cheia de alegrias e emoções. E encarar a realidade.

O coronavírus parece o luto, quando a dor nos isola dos amigos e até dos familiares que dizem que a vida não pode parar. Que dizem que o tempo cura todas as dores. Mas o coronavírus mostra: a vida pode parar sim.

O vírus não veio de um dia para o outro. Ele não foi igual ao tsunami que, em 26 de dezembro de 2004, destruiu grandes partes da Indonésia, Sri Lanka, Tailândia e Índia. Ele veio de mansinho, quase despercebido.

Primeiro, ele foi ignorado; depois, subestimado. Uma atitude bem comum, que evidencia que a capacidade do ser humano de reprimir fatos não desejados parece ser maior que a capacidade de enxergá-los racionalmente.

É uma coincidência muito grande que isso tudo ocorra justamente neste momento em que as cidades de Bonn e Viena e a Europa inteira pretendiam lembrar com muitos concertos o nascimento do compositor Ludwig van Beethoven, 250 anos atrás. Beethoven era surdo-mudo.

Ele começou a sentir os primeiros sintomas da surdez a partir de 1796, quando tinha apenas 26 anos. Por incrível que pareça, mesmo com toda deficiência e discriminação que ele sofria, conseguiu externalizar a música que pulsava dentro dele.

Foi o poder da música que afastou o silêncio interno e externo e aliviou o sofrimento de Beethoven. No seu confinamento, ele escreveu seis de suas nove sinfonias, incluindo a nona, com a famosa canção Ode à Alegria, que virou o hino da Europa.

"Oh amigos, mudemos de tom! Entoemos algo mais prazeroso e mais alegre!" Essas são as primeiras palavras do poema de Friedrich Schiller, que Beethoven musicou na nona sinfonia. É de arrepiar essa força de superação que veio da música dele.

Em tempos de coronavírus, sou grata por esse legado. Grata por poder apreciar a obra desse gênio musical, que nasceu 250 anos atrás. Grata por poder ouvir as sinfonias e os concertos dele, mesmo que esteja somente em casa, e não num teatro ou numa praça pública.

A Alemanha ficou muda, mas emudecer não significa ser mudo e indiferente perante o próximo. Às vezes, é preciso ficar mudo para poder ouvir melhor a nossa própria voz e mudar. Beethoven nos deu muito mais que a Ode à Alegria, ele nos mostrou o poder do silêncio.

--

Astrid Prange de Oliveira foi para o Rio de Janeiro solteira. De lá, escreveu por oito anos para o diário taz de Berlim e outros jornais e rádios. Voltou à Alemanha com uma família carioca e, por isso, considera o Rio sua segunda casa. Hoje ela escreve sobre o Brasil e a América Latina para a Deutsche Welle. Siga a jornalista no Twitter @aposylt e no astridprange.de.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais