1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
O presidente americano, Barack Obama, discursa na Casa Branca sobre a crise ucranianaFoto: picture-alliance/dpa

Obama diz que referendo na Crimeia viola leis internacionais

6 de março de 2014

Presidente americano afirma que qualquer decisão sobre o futuro da Ucrânia tem que incluir governo interino em Kiev. EUA e UE aumentam pressão sobre Moscou com imposição de série de sanções, em sua maioria políticas.

https://www.dw.com/pt-br/obama-diz-que-referendo-na-crimeia-viola-leis-internacionais/a-17480442

Num dia de novas sanções de Estados Unidos e União Europeia (UE) em represália à intervenção russa na Ucrânia, o presidente americano, Barack Obama, foi a público nesta quinta-feira (06/03) condenar a realização de um referendo na Crimeia para uma integração à Rússia. Segundo ele, a consulta popular viola as leis internacionais.

Nesta quinta-feira, o Parlamento da Crimeia aprovou por unanimidade uma moção que pede a adesão da região autônoma ucraniana à Rússia e antecipou, do dia 30 para o próximo dia 16, a realização de um referendo sobre o tema.

"O referendo proposto sobre o futuro da Crimeia violaria a Constituição ucraniana e as leis internacionais", disse Obama a jornalistas na Casa Branca. "Qualquer discussão sobre o futuro da Ucrânia tem que incluir o governo legítimo em Kiev."

O presidente interino da Ucrânia, Olexandr Turtchinov, condenou o referendo como "uma farsa e um crime organizado por militares russos". A Crimeia, que tem população majoritariamente de origem russa, pertencia à Rússia até 1954.

Se a proposta for aprovada na consulta popular, empresas estatais e propriedades pertencentes ao governo ucraniano serão nacionalizadas e a república autônoma adotará o rublo como moeda.

Ukraine Russland Krim-Krise 06.03.2014
Polícia ucraniana reforça guarda diante da sede do governo de DonetskFoto: picture-alliance/AP

Em sua declaração na Casa Branca, Obama disse que ainda há caminho para a diplomacia e que o mundo está unido em oposição às ações russas e em apoio à Ucrânia. O secretário de Estado americano, John Kerry, continua as conversas com o chanceler russo, Serguei Lavrov, para tentar encontrar uma saída ao impasse.

"Mas se essa violação da lei internacional continuar, os EUA, nossos aliados e a comunidade internacional continuarão firmes", afirmou o presidente americano.

Aproximação UE-Moscou congelada

Obama ordenou nesta quinta-feira que pessoas envolvidas com a intervenção russa na Crimeia sejam proibidas de viajar aos EUA e tenham congelados seus bens em território americano. Além disso, o Departamento de Estado cassou os vistos de autoridades responsáveis ou que tenham contribuído para violar a integridade territorial da Ucrânia.

Reunidos em Bruxelas, chefes de Estado e governo da União Europeia se decidiram nesta quinta-feira pela adoção de sanções políticas, mas não econômicas, contra a Rússia. Foram suspensas as negociações para a liberalização de vistos no bloco e para um novo acordo de associação entre Bruxelas e Moscou.

Antes da cúpula em Bruxelas, a UE já anunciara o congelamento, durante um ano, dos ativos do presidente deposto ucraniano Viktor Yanukovytch, de ex-ministros e mais de dez funcionários de alto escalão do antigo governo. A razão é o suposto envolvimento deles no desvio de fundos públicos.

Ukraine Russland Krim-Krise 06.03.2014
Navio russo próximo ao Mar NegroFoto: Viktor Drachev/AFP/Getty Images

"Primeiro, temos que nos assegurar de que a Ucrânia e a Rússia se sentem para dialogar; segundo, demonstrar na UE que ajudaremos os ucranianos e, em terceiro lugar, enviar uma clara mensagem ao governo russo que o que aconteceu é inaceitável e que deve ter consequências", disse o premiê britânico, David Cameron, em Bruxelas.

Nesta quinta-feira, a Rússia anunciou uma reunião das ex-repúblicas soviéticas na Comunidade de Estados Independentes (CEI), incluindo a Ucrânia, para o dia 4 de abril. Segundo Moscou, o encontro será precedido de contatos entre diplomatas russos e ucranianos e é uma forma de deixar a porta aberta à diplomacia.

RPR/ap/rtr/afp