O retorno triunfal de uma lenda chamada Lukasz Piszczek | Colunas semanais da DW Brasil | DW | 18.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coluna Halbzeit

O retorno triunfal de uma lenda chamada Lukasz Piszczek

Em partida de despedida, jogador do Borussia Dortmund deu um show e emocionou no final da Copa da Alemanha. Polonês sai de cena como um dos maiores ícones da história do clube alemão.

Lukasz Piszczek foi levantado aos céus pelos colegas logo depois do apito final da partida entre RB Leipzig e Borussia Dortmund pela Copa da Alemanha

Imagem de Lukasz Piszczek erguido pelos colegas no fim de sua última partida rodou o mundo

Poucos jogadores ainda em atividade impregnaram tanto os anos dourados do Borussia Dortmund quanto Lukasz Piszczek. Ele vestiu a camisa aurinegra nos últimos onze anos e agora deixa o clube para voltar à sua cidade natal na Polônia onde pretende reencontrar velhos amigos e bater uma bola de vez em quando.

Antes de sua partida, porém, o destino lhe reservou um último glorioso momento de triunfo que permitirá a Piszczek sair de cena em grande estilo e como um dos maiores ícones da história do Borussia Dortmund. Imagens dele sendo levantado inúmeras vezes aos céus berlinenses pelos seus companheiros, rodaram o mundo e foi por um justo motivo. Afinal, o incansável lateral direito polonês foi um dos principais protagonistas da vitória do seu clube sobre o novo rico RB Leipzig na final da Copa da Alemanha.

Lukasz completará 36 anos em junho e já se preparava para, tal qual um filho pródigo, retornar às suas raízes. Poucas vezes jogou na atual temporada e, a rigor, deixava o tempo passar no banco dos reservas. Para a sua posição na equipe, o BVB tinha contratado Mateu Morey além de Thomas Meunier. Ambos se revezavam na lateral direita e o defensor polonês foi deixado de lado até que Morey se contundiu e Meunier deu sinais de instabilidade.

Havia chegado a hora, quiçá a última, para mais uma vez Piszczek mostrar o seu incontestável valor e o fez com maestria como nos velhos tempos. Na atual temporada da Bundesliga jogou apenas dez partidas, sendo que todas elas, coincidentemente ou não, foram vencidas pelos aurinegros. Na Copa da Alemanha atuou em seis dos quatro confrontos, inclusive na final quando teve uma atuação soberba de encher os olhos. Ao lado de Reus, Haaland e Sancho, foi considerado um dos principais protagonistas cujo excepcional desempenho resultou na conquista do quinto título da Copa da Alemanha pelo Dortmund.

Piszczek começou no Borussia Dortmund em 2010. Veio do Hertha Berlin e não custou nada aos cofres aurinegros. Desde então atuou em 381 partidas oficiais pelo BVB, tendo dado 66 assistências e marcando 19 gols. No verão passado prorrogou o seu contrato por mais um ano já avisando que em 2021 iria pendurar as chuteiras e voltar ao seu clube de origem, o Goczalkowice da 3ª divisão polonesa para bater uma bolinha com seus amigos e lembrar seus tempos de adolescente na pequena cidade de pouco mais de seis mil habitantes.

"Quando renovei meu contrato com o Borussia no ano passado, manifestei o desejo de me despedir ao final da temporada com a conquista de um título, seja o da Bundesliga ou do DFB Pokal. Cheguei a sonhar com isso", declarou Piszczek, com os olhos ainda cheios de lágrimas, logo depois da avassaladora vitória por 4x1 sobre o RB Leipzig e acrescentou: "Hoje meu sonho se tornou realidade".

Para quem viu essa final, o veterano polonês parecia ter surgido de uma fonte da eterna juventude. Parecia possuído por um excesso exuberante de qualidades que tornam um bom jogador um mestre genial do seu ofício. Enquanto Reus, Haaland e Sancho atropelavam a defesa dos comandados de Julian Nagelsmann, Lukasz Piszczek imperou intransponível na lateral direita seja defendendo, seja impulsionando ações ofensivas.

O técnico Edin Terzic não economizou elogios: "Lukasz esvaziou completamente o seu tanque. Não dá para expressar em palavras quão importante ele foi nesta fase crucial de nossa campanha. Todo seu desempenho e toda sua emoção ele transferiu para a ponta de suas chuteiras sabendo que só dando tudo de si poderá levantar a taça".

Antes de levantar a taça, porém, ele foi levantado aos céus pelos colegas logo depois do apito final. Todos, sem exceção, correram em direção ao herói da noite e o jogaram para cima, uma, duas, diversas vezes. E enquanto girava nos ares berlinenses, com as duas mãos cobrindo seu rosto, como se não acreditasse no que estava acontecendo, Lukasz chorava de alegria tal qual um menino.

Lukasz Piszczek fará muita falta não apenas ao Borussia Dortmund e não apenas como jogador de futebol. Ele fará falta por ter sido nestes anos todos uma pessoa com a qual o torcedor aurinegro e o amante do esporte pode se identificar, inclusive por emocionantes cenas como a descrita acima. 

Antes de ir embora, ainda teve tempo para dar uma última palavra aos repórteres: "Todos títulos que venci com o Borussia Dortmund foram bons demais, mas este que ganhamos hoje ficará gravado para sempre e vou levá-lo comigo para o resto da minha vida".

Feliz retorno às suas raízes Lukasz!

--

Gerd Wenzel começou no jornalismo esportivo em 1991 na TV Cultura de São Paulo, quando pela primeira vez foi exibida a Bundesliga no Brasil. Atuou nos canais ESPN como especialista em futebol alemão de 2002 a 2020, quando passou a comentar os jogos da Bundesliga para a OneFootball de Berlim. Semanalmente, às quintas, produz o Podcast "Bundesliga no Ar". A coluna Halbzeit sai às terças.

Leia mais