1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Foto: Getty Images/Afp/Koen van Weel

O mito Vincent van Gogh

Sabine Oelze / Gabriela Soutello
29 de julho de 2015

Há 125 anos morria o pintor holandês, um desconhecido durante a sua vida e que hoje é considerado um dos maiores da história. Holanda, França e Bélgica celebram o seu legado.

https://www.dw.com/pt-br/o-mito-vincent-van-gogh/a-18616803

Europa celebra Van Gogh

Vincent Van Gogh nasceu em 30 de março de 1853 em Zunder, na Holanda. Ele recebeu o nome do irmão que havia morrido no mesmo dia do ano anterior. Sob o espectro de ovelha negra, Van Gogh era considerado um fracassado pelos familiares. Foi ao lado deles que o pintor passou sua juventude, descrita por ele como fria e sombria.

Antes de começar a pintar, Van Gogh morou em Londres e Paris, onde trabalhou como comerciante de arte. Aos 20 anos, era bem-sucedido na profissão e ganhava mais do que o pai. Mas uma desilusão amorosa fez com que eles se isolasse e se voltasse para a religião. No auge do fervor religioso, tentou tornar-se pastor e trabalhou como missionário.

Impressões expostas

Foi somente em 1879, quando se mudou para a pequena região de mineração de Borinage, na Bélgica, que começou a seguir sua verdadeira vocação: a pintura. Imerso no cotidiano dos mineradores que trabalhavam 700 metros abaixo da terra, Van Gogh passou a expressar suas impressões sobre a região em seus primeiros quadros.

Além das pinturas, foi também por meio de cartas – foram mais de 2 mil – que o artista relatou suas impressões: seus escritos variavam de reflexões profundas sobre acidentes nas minas até a paixão tortuosa nutrida por Margot Begemann, com quem manteve uma relação amorosa trágica em 1884. Entre as cartas, 820 estão preservadas, e pelo menos 600 foram trocadas com o irmão, Theo, com quem desenvolveu um forte laço afetivo.

De volta para casa

Em 1883, após um período em Haia, onde chegou a ter uma relação com uma prostituta e a morar com ela e seus dois filhos, Van Gogh foi morar na casa dos pais – que permanece intacta até hoje – em Nuenen, na província de Brabante, na Holanda, para onde eles havia se mudado.

Bildergalerie 125 Jahre von Gogh
"Os comedores de batata", de 1885Foto: gemeinfrei

Nessa época, as pinturas sobre a vida no campo refletiam sua própria vida: simples e melancólica, sem embelezamento – como a famosa obra Os comedores de batata, produzida em esboços durante todo o inverno até ser concluída em abril de 1885.

Uma nova fase

Nesse mesmo ano, após a morte de seu pai, Van Gogh deixou Nuenen. Mudou-se para Antuérpia, na Bélgica, e, em seguida, com o apoio financeiro e com a companhia de Theo, para Paris. Foi na capital francesa que o pintor conheceu e foi influenciado por artistas como Claude Monet e Pierre-Auguste Renoir.

Em 1888 se mudaria mais uma vez, agora para Arles, no sul da França, onde desenvolveu um novo estilo de pintura: cenas cotidianas dotadas de cores mais fortes e vibrantes, contornos definidos e contrastes expressivos entre linhas e superfícies. Nesse mesmo ano Van Gogh produziria o famoso quadro A casa amarela e, em 1889, outro clássico: A noite estrelada.

Van Gogh cometeu suicídio em 29 de julho de 1890, há exatos 125 anos, sucumbindo a uma doença mental.

Ano de comemorações

Em Eindhoven, na Holanda, a obra Noite estrelada (1889) é lembrada de uma maneira literalmente brilhante: mais de um milhão de luzes de LED simulam estrelas no chão de uma ciclovia. A experiência sensorial, denominada Van Gogh Bicycle Path, foi projetada pelo designer Daan Roosegaarde e faz parte de um conjunto de homenagens aos 125 anos da morte do pintor.

Eröffnung des MoMa in Berlin, Vincent van Gogh Sternennacht
"A noite estrelada", de 1889Foto: The Museum of Modern Art, New York

Trinta instituições europeias realizam exposições e eventos culturais sob o nome de "125 anos de inspiração". Entre elas estão cidades holandesas, como ‘s-Hertogenbosch e Otterlo, e também Mons, na Bélgica, eleita capital cultural da Europa neste ano. Participam ainda as cidades francesas de St. Remy, Arles e Auvers-sur-Oise – onde o pintor cometeu suicídio com 37 anos, em 1890.

Embora tenha sido na França que Van Gogh produziu as obras que o tornariam um dos pintores mais famosos do mundo, é na Holanda, onde nasceu, que há mais exposições em sua homenagem. Em 25 de setembro será inaugurada em Amsterdã a exposição Munch: Van Gogh, que abordará paralelos entre as obras do pintor com as do expressionista Edvard Munch – o qual, no entanto, nunca conheceu.